Página:O Mysterio da Estrada de Cintra (1894).pdf/77

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Segunda carta de Z

 

Senhor redactor. — Acabo de vêr publicada na sua folha de hoje uma carta em que o doutor..., com uma insistencia malevola, torna a inculcar, como cumplice no attentado de que elle se fez o historiador voluntario, o meu pobre amigo A. M. C.

Disse-lhe na minha primeira carta, senhor redactor, que eu ia com o auxílio unico da minha coragem e da minha astucia, pôr-me ao serviço da curiosidade de todos, procurando penetrar e desfiar a tenebrosa historia que ha mais d’uma semana, vem todos os dias successivamente, no folhetim do seu jornal, apresentar deante d’um publico attonito um quadro mysterioso e lugubre.

Não pude, porém, descobrir nada: indagações, interrogatorios, visitas aos logares, tudo foi inutil. A historia perde-se cada vez mais n’uma nevoa que a afoga: e o meu pobre M. C. lá está ainda — não sei se n’um retiro voluntario, se n’uma sequestração forçada.

Na impossibilidade de descobrir, physicamente, por essas ruas, a verdade, resolvi ir buscal-a ás mesmas cartas do doutor. Analysei-as, decompul-as palavra por palavra. E sem contar os processos, apresento os resultados.

O Mysterio da estrada de Cintra é uma invenção: não uma invenção litteraria, como ao principio suppuz, mas uma invenção criminosa, com um fim determinado. Eis aqui o que pude deduzir sobre os motivos d’esta invenção:

Ha um crime; é indubitavel; é claro. Um dos cumplices d’este crime é o doutor ***. Elle está envolvido no