Página:O livro de Esopo fabulario português medieval.pdf/42

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
30
FABULARIO PORTUGUÊS


E per estas palauras escarneçia o asno do caualo. O caualo, pela gram vergonça que auia, nom falaua, e partio-sse com vergonça.





Per este emxemplo este poeta nos amostra que nós nom ajamos ffe nem esperança nas uãas glorias d’este mundo, porque nom som estauees; e homem que está em prosperidade em este mumdo nom deue[1] escarneçer do minguado, porque, quando sse nom percatar[2], elle pode vĩir em misseria, e o minguado em prosperidade, ssegundo veemos cada dia.


XXX. [Batalha entre as aves e as animalias]

       [Fl. 21-v.][E]m este emxemplo este poeta nos amostra e diz que foi hũa gram batalha antre as aues e animal[i]as[3], e foy assignado hũu dia çerto, que d’anbalas partes viessem aa batalha. A aguia ordenou ssuas aazes, ssegundo vio que conpria; o leam outrosy as ssuas.

Postas as aazes d’anbalas partes, o morçeguo, que vio tanta multidom d’animalias, e que dauam tam grandes vozes, ouue gram temor, e partio-sse das aues, e nom quis teer da hũa parte nem da outra.

Em esto foy fecta a batalha muyto cruell; e d’anbalas partes forom muytos mortos e feridos. Finalmente as aues vençerom por ssuas ligeyriçes, e pella[4] gram vertude da aguya, que ssoube muy bem hor/       [Fl. 22-r.]denar ssuas aazes.

Depois que todas forom assenbradas, e a batalha vençida, foy dicto aa aguia que o morçeguo fezera treyçom e fugira e leixára sseu senhor no campo: a agia o fez chamar, e[5] ssabida a verdade, feze-o todo depenar, e mandou-lhe que nom voasse ssenom de noute, por pena do mal que ffezera.





Per este emxemplo este doutor nos amostra e diz que nom he boo uassalo nem fiell amiguo aquell que ao tempo da neçessidade[6] leixa sseu ssenhor no priigo[7] e foge, ca o homem nom pode bem

  1. No ms. deuem.
  2. No ms. pcatar, com a haste do p cortada perpendicularmente por um traço, abreviatura que d’ordinario no nosso ms. representa per. Este texto tem tambem: espança (com p cortado) = esperança; prospidade (com p cortado) = prosperidade, mas logo em seguida prosperidade por extenso.
  3. No ms. animalas, mas noutro passo, logo abaixo, animalias.
  4. No ms. plla com os ll cortados.
  5. Antes de se escrever e, escreveu-se outra lettra que foi riscada.
  6. Aqui estão riscados dois ss. O amanuense ia a escrever sseu.
  7. No ms. prijgo.