Página:O livro de Esopo fabulario português medieval.pdf/51

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
39
FABULARIO PORTUGUÊS


Em esta perfia esteuerom per espaço de dias, tanto que os pees começarom de enfraqueçer, e outrossy as mãaos.

E os pees diserom:

— Nom podemos andar.

E as mãaos diserom:

— Nom podemos trabalhar.

Veemdo esto as mãaos, tomarom do pom para dal-lo aa boca; e a boca e o corpo eram ja postos em tamta fraqueza, que os demtes da boca nom sse poderom abrir. E per esta perfia o corpo morreo: e elle morto morrerom os pees e as mãaos com todolos outros nembros.





       [Fl. 30-r.]Pom este poeta emxemplo per nosso amaestramento e diz[1], rreprehendendo os auaros, os quaaes nom querem ajudar o sseu proximo nas ssuas neçessidades. Ajnda diz que nhũu homem sse deue rreputar d’atanto, por muy poderoso e rrico que sseia, que algũas vezes nom lhe faça mester o seruiço d’outrem e d’outros que ssom de muy mays pequena condiçom que ell, porque hũu amyguo ssenpre lhe conpre seruiço d’outros: hũu amyguo serue o outro amiguo. Outrossy diz que, bem que o[2] homem sseja tanto maao[3] que nom queyra perdoar a outrem, deue perdoar assy medês, por nom sseer rreputado cruell e maao.


XLII. [A bugia que pede á raposa um pedaço da cauda]

       [Fl. 30-v.][C]omta este poeta este emxemplo e diz que hũa bugia fazia gram queixume aas outras animalias, porque nom tijnha rrabo pera cobrir ssua vergonça; e foy-sse aa rraposa e disse-lhe:

— Amigua, uós teemdes muy grando rrabo, e uay-sse-uos rrojando pello chãao e luxa-sse muyto; outrossy dá-uos muyto trabalho, ca vos peja muyto e empacha-uos o amdar: porem vos rroguo, comadre amjgua, que me dees hũu pequeno d’elle pera cobrir estas mynhas nadeguas, que me metem em gramde vergonça. A uós nom fará myngua, e a mym fará proueito.

A rraposa lhe disse:

— Comadre bugia[4], a mym[5] pareçe que este meu rrabo he muy fremoso e muj leue, e pareçe-me muy pequeno: pero toma de cuydado de nós, e nom o tomedes do meu rrabo. A mym[6] praz mays que elle

  1. O rigor da syntaxe pedia para diz complemento directo, que mal póde ser exemplo, dito antes; mas o auctor confundiu-se, e escreveu reprehendendo em vez de que reprehende, ou escreveu inutilmente e diz.
  2. As palavras bẽ q̃e estão em entre-linha.
  3. Por engano mãao.
  4. bugia está em entre-linhas.
  5. No ms. my (falta o til)
  6. No ms. my (falta o til)