Página:O missionário.djvu/192

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Abria-se um vácuo em torno do moço vigário, e ele, pela inexperiência do mundo, aumentava a gravidade desses sintomas, ressentindo ima hostilidade surda por parte das pessoas gradas, daqueles mesmos figurões que se tinham apresentado a recebê-lo a bordo com tantas mostras de estima e de respeito. Mas Macário, que não era tolo e tinha muito conhecimento dos homens e das coisas, compreendia bem quela má vontade. A vida imaculada de padre Antônio de Morais castigava os desregramentos dos homens influentes. Eles tinham saudades daquele vigário pândego, cujos hábitos folgazões, francos e livres deixavam toda a gente viver à sua vontade, sem constrangimentos nem hipocrisias. O que as pessoas gradas queriam era um vigário como padre José ou como padre João da Mata, o vigário de Maués, que morrera no princípio do ano no sítio de Sapucaia, em ignorado sertão, nos braços duma mameluca linda como o sol.

Chegara a época da colheita das castanhas, e a vila começava a ficar deserta.