Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v2.djvu/221

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Macário: mar é uma coisa soberanamente insípida. . . O enjôo é tudo quanto há mais prosaico. Sou daqueles de quem fala o corsário de Byron "whose soul would sicken o'er the heaving wave".

O Desconhecido: E enjoais a bordo?

Macário: É a única semelhança que tenho com D. Juan.

O Desconhecido: Modéstia!

Macário: Pergunta à taverneira se apertei-lhe o cotovelo, pisquei-lhe o olho, ou pus-lhe a mão nas tetas

O Desconhecido: Um dragão!

Macário: Uma mulher! Todas elas são assim. As que não são assim por fora o são por dentro. Algumas em falta de cabelos na cabeça os têm no coração. As mulheres são como as espadas, às vezes a bainha é de oiro e de esmalte e a folha é ferrugenta.

O Desconhecido: Falas como um descrido, como um saciado! E contudo ainda tens os beiços de criança! Quantos seios de