Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v2.djvu/230

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Macário: Tenho ânsia de lá chegar. É bonita?

Satan (boceja ): Ah! é divertida.

Macário: Por acaso também há mulheres ali?

Satan: Mulheres, padres, soldados e estudantes. As mulheres são mulheres, os padres são soldados, os soldados são padres, e os estudantes são estudantes: para falar mais claro: as mulheres são lascivas, os padres dissolutos, os soldados ébrios, os estudantes vadios. Isto salvo honrosas exceções, por exemplo, de amanhã em diante, tu.

Macário: Esta cidade deveria ter o teu nome.

Satan: Tem o de um santo: é quase o mesmo. Não é o hábito que faz o monge. Demais, essa terra é devassa como uma cidade, insípida como uma vila e pobre como uma aldeia. Se não estás reduzido a dar-te ao pagode, a suicidar-te de spleen, ou a alumiar-te a rolo, não entres lá. É a monotonia do tédio. Até as calcadas!

Macário: Que têm?