Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v2.djvu/247

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


na terra. Amanhã talvez o encontres. A pérola talvez se enfie num colar de bagas impuras-talvez o diamante se engaste em cobre; Aposto como daqui a um momento será uma mulher, daqui a um dia uma Santa Madalena!

Macário: Descrido?

Satan: O anjo é a criatura do amor. E o que há mais aberto ao amor que a filha de Jerusalém? Qual é a sombra onde mais vezes tem vibrado essa pólvora mágica e incompreensível? Qual é o seio onde tem caído ardentes mais lágrimas de gozo?

Macário: Não ouviste um ai? um outro ai ainda mais dorido?

Satan: É algum bacurau que passou; algum passarinho que acordou nas garras de uma coruja. Macário: Não: o eco ainda o repete. Ouves? é um ai de agonia, uma voz humana! Quem geme a essas horas? Quem se torce na convulsão da morte?

Satan (dando uma gargalhada): Ah! ah! ah!