Página:Obras poeticas de Ignacio José de Alvarenga Peixoto (1865).djvu/82

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 76 —
(33) Parn. bras., t. I, cad. 1, p. 51; N. Parn., t.I, p. 244.
(34) Collecção de poesias ineditas dos melhores autores portugueses. 3 vol. in-16, Lisboa, 1809-1811. T. III, p. 31.
(35) T. I, p. 7, e notas 29 e 30.
(36) É a primeira poesia publicada no 1° cad. do t. I , á p.5.
(37) O autor occultou-se sob a mascara do incognito, omittindo a sua assignatura. A ode é a seguinte:

Em sonhos vi um Indio magestoso,
De presença gentil, altivo e forte:
Mostrava no semblante respeitoso
    Da alegria o transporte;
Barbaro o trajo, mas riqueza tanta
Dos miseros mortaes a vista encanta.

Zona de pelles de diversas côres,
Guarnecida de pedras preciosas,
Representa do sol os resplendores;
    Oh! que pennas mimosas!
Sobre o cocar, thesouro de riqueza,
É tudo quanto póde a natureza!

Cinto de curtas pennas recamadas
Tem em torno de si pennas compridas
De differentes côres matizadas;
    E as plumas fendidas
Formão ao todo um circulo composto
Lindo saiote da natura ao gosto.

Pendia ao tiracol de branco arminho,
Com rubins e saphyras, que encantava,
Concavo dente de animal marinho,
    Que lhe serve de aljava;
Porém as settas e o seu arco forte
Longe deixou, que já não teme a morte.