Página:Os romances da semana.djvu/85

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 75 —

Corri a ella, abracei-a, suspirei, chorei, e até cantei-lhe um pedaço da aria predilecta.

— Ainda vive alguém?... perguntou-me com voz sumida a divindade.

— Eu só, eu só ; respondi-lhe ancioso: eu só, que serei o teu Adão, porque tu vas ser a minha Eva.

A corista deu um muxôxo, fez um momo, e fechou os olhos.

— Vive ! vive!... é necessário qui vivas!...

— Para que?... tornou-me ella.

— Para não se acabar o mundo, minha filha ; para arranjarmos um artigo additivo á humanidade, que está em risco de se extinguir de todo. Olha, minha corista, o destino do globo terraqueo está nas nossas mãos.

— Oral... nem ao menos eu acharia com quem cantar um côro...

— Cantaremos um duetto, menina !

— Não... não... de que me serviria viver ?... que poderia eu ser ainda ?...

— Minha mulher, pequena !

— Tua mulher ?... ora essa!... se eu fosse agora tua mulher... como tu és o único homem no mundo, nem ao menos eu poderia pregar-te um mono !

E inclinando a cabeça... exhalou um suspiro, que me pareceu o ultimo.