Página:Pacotilha poetica.pdf/122

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
118
Se é dos taes que


SENHORAS

2 Não póde o triste e mesquinho
  Para moça alguma olhar,
  Soffre até puxões de orelha,
  Sem um soluço soltar.

3 Triste cousa é ser marido
  De mulher muito barbuda;
  Tem ciumes, porém quer
  Ter-se em conta de sisuda!

 4 Não tendes, sois boazinha;
  Lá uma dôr de canella,
  E' cousa commum a todas;
  E' cousa de bagatella.

5 Eu vos quizera; senhora,
  Dizer tudo nú e crù...
  Mas vergonha é ter ciumes
  Da negra que vende angú.

6 Ha uns que vendem saude,
  Como se diz por costume,
  Outros que vendem gordura,
  Porém vós vendeis ciume.

7 Vossas canellas são finas
  Das dores que têm soffrido;
  Até vosso coração
  'Stá de ciume roido.