Página:Pacotilha poetica.pdf/142

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
138
Se tem a fama de


SENHORAS

2 Quereis antes que vos diga
  Que de má, não é assim?
  Ninguem deseja ser feia,
  Porém vós o sois por fim.

3 No genio sois tão immensa
  Como um vil surucucú;
  Na belleza não se fala,
  Que sois mesmo um baiacú.

4 De ser má: pois sois bonita
  E tratais a todos mal,
  Só é feliz para comvosco
  Um aprendiz do Arsenal.

5 De má, porque do marido
  Beliscais sempre a caréca;
  De feia porque sois mesmo
  Uma grasnenta marreca.

6 De feia, que chamam feia,
  Toda a moça, inda que bella,
  Que trata pouco de si,
  Como de uma bagatella,

7 De feia, sendo bonita,
  E de má, sendo tão boa!
  Aqui ha cousa, senhora,
  O mundo não fala á tôa.