Página:Revista literária tomo 1 ano 1.djvu/15

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(7)


saudade que me acompanha neste momento, e do apreço que sempre tive seus relevantes serviços!

Preza esse abraço, guerreiro venturoso, eu não o trocara senão pelo nome do teu Imperial Chefe. O abraço funebre da ultima despedida já foi enviado ao seu valente exercito; mas que lhe mercerá o corajoso Povo, cujo idolo era? qual legado sera o seu? Não ha engenho que o descubra, não ha poesia que o invente; é uma daquellas inspirações que só baixão ao genio na bora de passamento. — O coração que pulsava com o generoso pensamento de libertar um povo; que voluntariamente se votou aos mais custosos sacrificios; o coração em que morou a mais heroica perseverança, que, unico nunca trepidou, nem perdeu os brios da firme confiança; o coração que alvergava o valor, a clemencia, a generosidade, a amizade, a gratidão, o amor da patria — este coração, tirae-o do meu seio e levae-o á Cidade do Porto E’ legado de amigo a outo amigo. — Este foi o pensamento sublime do amigordos Portuenses. O coração que batera tanto á larga naquelle peito generoso, só na gloriosa Cidade do Porto podia achar igual largueza!

No dia 7 de Fevereiro de 1835 entrou a Cidade herdeira do grande homem na posse do seu precioso legado. Então foi elle provisoriamente collocado em uma pequena urna de pau. Passados dois annos achava-se concluida a obra destinada a recolher o augusto penhor; e procedendo-se a exame de peritos que o achárão em estado de perfeição, seguiu-se no dia immediato o acto da trasladação, acto solemne, em que, se não houve luxo e pompa Real, houve abundancia de lagrimas, e não faltou verdadeiro sentimento.

Erão apenas passados tres annos, e a perda que se lamentava já era demasiado sensivel. Aquelle coração prodigioso que ja em vida principiára a ser ulcerado pela aspide da ingratidão, alli estava para fatal desengano de que os homens-gigantes, que de longe em longe apparecem sobre a terra para arrancar as nações do abismo em que a maldade dos homens as tem despenhado, não são producções frequentes da natureza, como fatuos facilmente se persuadem. Mas não prosigueirei nestas dolorosas reflexões, e passo já a fallar do monumento.