Página:Rosa, rosa de amor.djvu/51

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
44
VICENTE DE CARVALHO


        Pela vasta noite sem termo,
          Que deserto sombrio!
Eu sonho... Inda é mais triste, inda é mais ermo
          O nosso leito vasio.

        Pela vasta noite que finda
          Sóbe o dia risonho...
E eu cerro os olhos para ver-te ainda,
          Ainda e sempre, em meu sonho.

Rosa, rosa de amor typographic ornament 11.png