Página:Rosa, rosa de amor.djvu/57

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
50
VICENTE DE CARVALHO

      Sabor do primeiro beijo
Que mal poisa, medroso, leve, leve,
      Num rosto virgem onde o pejo
Semeia de rosas brancuras de neve;

      Sonhos de amor, sois como a rosa
            Que, nem bem colhida,
Perde a frescura que a tornou formosa,
Perde o perfume que a tornou querida.

Rosa, rosa de amor typographic ornament 02.png