Página:Ultimos Sonetos.pdf/108

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
102
ULTIMOS SONETOS


Sempre uma voz dos Ermos, das Distancias!
Sempre as longinquas, mágicas fragrancias
De uma voz immortal, divina, pura...

E tua bocca, sonhador eterno,
Sempre sequiosa desse azul phalérno,
Da esperança do céo que te procura.

Esta página contém uma imagem. É necessário extraí-la e inserir o novo arquivo no lugar deste aviso.