Página:Ultimos Sonetos.pdf/114

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
108
ULTIMOS SONETOS


A cabeça pendida de fadiga,
Sentes a morte taciturna e amiga,
Que os teus nervosos circulos govérna.

Estás velho, estás morto! Ó dôr, delirio,
Alma despedaçada de martyrio,
Ó desespero da Desgraça eterna!