Página:Ultimos Sonetos.pdf/118

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
112
ULTIMOS SONETOS


Tu, que as profundas lagrimas estancas
E sabes levantar Imagens brancas
No silencio e na sombra mais velada...

Derrama os lyrios, os teus lyrios castos,
Em jordões immortaes, vastos e vastos,
No fundo da minh'alma lacerada!