Página:Ultimos Sonetos.pdf/128

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
122
ULTIMOS SONETOS


Um doce bem que derrama em tudo,
Um segredo immortal, risonho e mudo,
Que nos leva debaixo da sua aza.

E os nossos olhos ficam rasos d'agua
Quando, rebentos de uma occulta mágoa,
São nossos filhos todo o céu da casa.