Página:Ultimos Sonetos.pdf/155

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


SORRISO INTERIOR


O ser que é ser e que jamais vacilla
Nas guerras immortaes entra sem susto,
Leva comsigo este brazão augusto
Do grande amor, da grande fé tranquilla.

Os ahysmos rarnaes da triste argilla
Elle os vence sem ancias e sem custo...
Fica sereno, n'um sorriso justo,
Emquanto tudo em derredor oscilla.