Página:Ultimos Sonetos.pdf/178

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
172
ULTIMOS SONETOS


Céo immovel millenios e millenios,
Tu que illuminas a visão dos Genios
E érgues das almas o sagrado accórde.

Céo esteril, absurdo, céo immóto,
Faz dormir no teu seio o Sonho ignóto,
Esta serpente que allucina e mórde...