Página:Ultimos Sonetos.pdf/186

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
180
ULTIMOS SONETOS


Ó Silencios! ó candidos desmaios,
Vácuos fecundos de celestes raios
De sonhos, no mais limpido cortejo...

Eu vos sinto os mysterios insondaveis,
Como de estranhos anjos ineffaveis
O glorioso esplendor de um grande beijo!