Página:Ultimos Sonetos.pdf/198

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
192
ULTIMOS SONETOS


Vae abrindo sacrario por sacrario
Do teu Sonho no templo imaginario,
Na hora glacial da negra Morte immensa...

Mórre com o teu Dever! Na alta confiança
De quem triumphou e sahe que descansa,
Desdenhando de toda a Recompensa!