Página:Ultimos Sonetos.pdf/200

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
194
ULTIMOS SONETOS


Chammas novas e bellas vão raiando,
Vão se accendendo os limpidos altares
E as almas vão sorrindo e vão orando...

E pela curva dos longinquos ares
Eil-as que vem, como o imprevisto bando
Dos albatrózes dos estranhos mares...