Pulcra ut Luna

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pulcra ut Luna
por Alphonsus de Guimaraens


Celeste... É assim, divina, que te chamas.
Belo nome tu tens, Dona Celeste...
Que outro terias entre humanas damas,
Tu que embora na terra do céu vieste?
Celeste... E como tu és do céu não amas:
Forma imortal que o espírito reveste
De luz, não temes sol, não temes chamas,
Porque és sol, porque és luar, sendo celeste.
Incoercível como a melancolia,
Andas em tudo: o sol no poente vasto
Pede-te a mágoa do findar do dia.
E a lua, em meio à noite constelada,
Pode-te o luar indefinido e casto
Da tua palidez de hóstia sagrada.