Punh'eu, senhor, quanto poss'em quitar

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Punh'eu, senhor, quanto poss'em quitar
por Dom Dinis


Punh[1]'eu, senhor, quanto poss'em quitar
d'em vós cuidar este meu coraçom
que cuida sempr'em qual vos vi; mais nom
poss'eu per rem nem mi nem el forçar
que nom cuide sempr'em qual vos eu vi;
e por esto nom sei hoj'eu de mi
que faça, nem me sei conselh'i dar.
 
Nom pudi nunca partir de chorar
estes meus olhos bem dê'la sazom
que vos virom, senhor, ca des entom
quis Deus assi que vo-lhi foi mostrar,
que nom podess'o coraçom desi
partir d'em vós cuidar, e viv'assi
sofrendo coita tal que nom há par.
 
E, mia senhor, u sempr'hei-de cuidar
no maior bem dos que no mundo som,
qual est o vosso, hei mui gram razom,
pois nom poss'end'o coraçom tirar,
de viver em camanho mal vivi,
des que vos eu por meu mal conhoci,
e d'haver sempr'a mort'a desejar.

Notas[editar]

  1. Punhar ou pugnar: esforçar-se, trabalhar por.