Sonetos (Antero de Quental, 1880)/Quia æternus

Wikisource, a biblioteca livre
< Sonetos (Antero de Quental, 1880)(Redirecionado de Quia aeternus)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quia æternus
por Antero de Quental
Poema publicado em Sonetos (1880).
QUIA ÆTERNUS

(A Joaquim de Araujo)

Não morreste, por mais que o brade á gente
Uma orgulhosa e van philosophia...
Não se sacode assim tão facilmente
O jugo da divina tyrania!

Clamam em vão, e esse triunfo ingente
Com que a Razão — coitada! — se inebria,
É nova forma, apenas, mais pungente,
Da tua eterna, tragica ironia.

Não, não morreste, espectro! o Pensamento
Como dantes te encara, e és o tormento
De quantos sobre os livros desfalecem.

E os que folgam na orgia impia e devassa
Ai! quantas vezes, ao erguer a taça,
Param, e estremecendo, impalidecem!