Sed non satiata

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sed non satiata
de Charles Baudelaire e tradução de Delfim Guimarães
Poema publicado em As Flores do Mal


Ó deidade fatal, anjo das frias trevas,
Pomo de tentação, lindo corpo cigano,
Com perfumes de musgo e de tabaco havano,
Ó fausto feminil que em teus filtros me enlevas!

Ao vinho de Constança, e ao ópio embriagante,
Eu prefiro o elixir da tua boca terna;
E no teu ígnio olhar, refrescante cisterna,
Mata a sede febril a minha dor crucidante.

Nos olhos infernais, espelhos da tua alma,
Monstro sem coração! a chama viva acalma;
Repara que eu não sou um Estígio incansável...

Nem me é dado, ai de mim! megera libertina,
Para quebrar-te a força e a luxúria indomável,
No teu leito sensual tornar-me Proserpina!