Testamento de Afonso II

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Testamento de Afonso II
por Afonso II de Portugal
Versão de Braga. Um dos mais antigos documentos em galaico-português, escrito no ano de 1214. O manuscrito encontra-se na Torre do Tombo, em Lisboa.


En’o nome de Deus. Eu rei don Afonso pela gracia de Deus rei de Portugal, seendo sano e saluo, temẽte o dia de mia morte, a saude de mia alma e a proe de mia molier raina dona Orraca e de meus filios e de meus uassalos e de todo meu reino fiz mia mãda per que depos mia morte mia molier e meus filios e meu reino e meus uassalos e todas aquelas cousas que Deus mi deu en poder sten en paz e en folgãcia. Primeiramente mãdo que meu filio infante don Sancho que ei da raina dona Orraca agia meu reino entegramente e en paz. E ssi este for morto sen semmel, o maior filio que ouuer da raina dona Orraca agia o reino entegramente e en paz. E ssi filio barõ nõ ouuermos, a maior filia que ouuermos agia’o. E ssi no tẽpo de mia morte meu filio ou mia filia que deuier a reinar nõ ouuer reuora, segia en poder da raina sa madre e meu reino segia en poder da raina e de meus uassalos ata quando agia reuora. E ssi eu for morto, rogo o apostoligo come padre e senior e beigio a terra ante seus pees que el recebia en sa comẽda e so seu difindemẽto a raina e meus filios e o reino. E ssi eu e a raina formos mortos, rogoli e pregoli que os meus filios e o reino segiã en sa comẽda. E mãdo da dezima dos morauidiis e dos dieiros que mi remaserũ de parte de meu padre que sũ en Alcobaza e do outr’auer mouil que i posermos pora esta dezima que segia partido pelas manus do arcebispo de Bragaa e do arcebispo de Santiago e do bispo do Portu e de Lixbona e de Coĩbria e de Uiseu e de Lamego e da Idania e d’Euora e de Tui e do tesoureiro de Bragaa. E outrossi mãdo das dezimas das luctosas e das armas e doutras dezimas que eu tenio apartadas en tesouros per meu reino, que eles as departiã assi como uirẽ por derecto. E mãdo que o abade d’Alcobaza lis de aquesta dezima que el ten ou teiuer e eles as departiã segũdo Deus como uirẽ por derecto. E mãdo que a raina dona Orraca agia a meiadade de todas aquelias cousas mouils que eu ouuer a mia morte, exetes aquestas dezimas que mãdo dar por mia alma e as outras que tenio en uoontade por dar por mia alma e non’as uiier a dar. Et mãdo que si a raina morrer en mia uida que de todo meu auer mouil agia ende a meiadade. Da outra meiadade solten ende primeiramente todas mias devidas e do que remaser fazam ende tres partes e as duas partes agiã meus filios e mias filias e departiãse entr’eles igualmente. Da terceira o arcebispo de Bragaa e o arcebispo de Santiago e o bispo do Portu e o de Lixbona e o de Coĩbria e o de Uiseu e o d’Euora fazã desta guisa: que u quer que eu moira quer en meu reino quer fora de meu regno fazam aduzer meu corpo per mias custas a Alcobaza. E mãdo que den a meu senior o papa MMM morauidiis, a Alcobaza MM morauidiis por meu añiuersario, a Santa Maria de Rocamador MM morauidiis por meu añiuersario a Santiago de Galicia MM CCC morauidiis por meu añiuersario, ao cabidoo da Séé da Idania mille morauidiis por meu añiuersario, ao moesteiro de San Gurge D morauidiis por meu añiuersario, ao moesteiro de San Uicẽte de Lixbona D morauidiis por meu añiuersario, aos caonigos de Tui mille morauidiis por meu añiuersario. E rogo que cada un destes añiuersarios fazam sẽpre no dia de mia morte e fazam tres comemorazones en tres partes do ano e cada dia fazam cantar una missa por mia alma por sẽpre. E ssi eu en mia uida der estes añiuersarios, mãdo que orem por mi come por uiuo ata en mia morte e depos mia morte fazam estes añiuersarios e estas comemorazones assi como suso e nomeado, assim como fazem en’os outros logares u ia dei meus añiuersarios. E mãdo que den ao maestre e aos freires d’Euora D morauidiis por mia alma, ao comendador e aos freires de Palmela D morauidiis por mia alma. E mãdo que o que eu der daquesta mãda en mia vida que non’o busque nenguu depos mia morte. E o que remaser daquesta mia tercia mãdo que segia partido igualmẽte en cinque partes das quaes una den a Alcobaza u mando geitar meu corpo. A outra ao moesteiro de Santa Cruz, a terceira aos Tẽpleiros, a quarta aos Espitaleiros, a quinta den por mia alma o arcebispo de Bragaa e o arcebispo de Santiago e os cinque bispos que suso nomeamos segũdo Deus. E den ende aos omees d’ordin de mia casa e aos leigos ||a|| que eu nõ galardoei seu servizo assi com’eles uirem por guisado. E as outras duas partes de toda mia meiadade segiã departidas igualmente entre meus filios e mias filias que ouuer da raina dona Orraca assi como suso e dito. E mãdo que aqueste auer dos meus filios que o teniã aquestes dous arcebispos cũ aquestes cinque bispos ata quando agiã reuora. E a dia de mia morte se alguus de meus filios ouuerẽ reuora, agiã seu auer. E dos que reuora nõ ouuerẽ mãdo que lis teniã seu auer ata quando agiã reuora. E mãdo que quen quer que tenia meu tesouro ou meus tesouros a dia de mia morte que os de a departir aquestes dous arcebispos e aquestes cinque bispos, assi como suso e nomeado. E mãdo ainda que se s’asunar todos nõ poderem ou nõ quiserẽ ou descordia for entr’aquestes a que eu mãdo departir aquestas dezimas suso nomeadas, ualia aquilo que mãdarẽ os chus muitos per nõbro. Outrossi mãdo daqueles que mia mãda an a departir ou todas aquelias cousas que suso sũ nomeadas que si todos nõ se poderẽ assunar ou nõ quiserem ou descordia for entr’eles ualia aquilo que mãdarẽ os chus muitos per nõbro. Mando ainda que a raina e meu filio ou mia filia que no meu logar ouuver a reinar se a mia morte ouuver reuora e meus uassalos e o abade d’Alcobaza sen demorancia e sen contradita lis den toda mia meiadade e todas as dezimas e as outras cousas suso nomeadas e eles as departiã assi como suso e nomeado. E ssi a mia morte meu filio ou mia filia que no meu logar ouuer a reinar nõ ouuer reuora, mãdo empero que aquestes arcebispos e aquestes bispos departiã todas aquestas dezimas e todas aquestas outras cousas assi como suso e nomeado . E a raina e meus uassalos e o abade sen demorãcia e sen contradita lis den toda mia meiadade e todas as dezimas e as outras cousas que teiuerẽ, assi como suso e dito. E ssi dar nõ li as quiserem, rogo os arcebispos e os bispos com’eu en eles confio que eles o demãdem pelo apostoligo e per si. E rogo e prego meu senior o apostoligo e beigio a terra ante seus pees que pela sa santa piadade faza aquesta mia mãda seer conprida e aguardada, que nenguu nõ agia poder de uinir contra ela. E ssi a dia de mia morte meu filio ou mia filia que no meu logar ouuer a reinar nõ ouuer reuora, mãdo aqueles caualeiros que os castelos teen de mi en’as terras que de mi teem os meus riquos omees que os den a esses meus riquos omees que essas terras teiuerẽ. E os meus riquos omees den’os a meu filio ou a mia filia que no meu logar ouuer a reinar quando ouuer reuora, assi como os dariã a mi. E mandei fazer treze cartas cũ aquesta tal una come outra, que per elas toda mia mãda segia conprida, das quaes ten una o arcebispo de Bragaa, a outra o arcebispo de Santiago, a terceira o arcebispo de Toledo, a quarta o bispo do Portu, a quinta o de Lixbona, a sexta o de Coĩbria, a septima o d’Evora, a octaua o de Uiseu, a nouea o maestre do Tẽplo, a dezima o prior do Espital, a undezima o prior de Santa Cruz, a duodecima o abade d’Alcobaza, a tercia dezima facer guardar en mia reposte. E forũ feitas en Coinbria IIIIor dias por andar de Junio, Era Mª CCª L IIª.