Tradução:Relato de Contos por Rebbe Nachman de Breslov/1

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Conto 1: A Perda da Filha da Raínha[editar]

[A Perda da Filha da Raínha][editar]

No caminho eu contei um conto que quem o escutasse tinha um pensamento de arrependimento. E esse é o conto. Certa vez havia um rei. O rei tinha seis filhos e uma filha. Essa filha lhe era muito importante e ele a estimava muito (ou seja, gostava e passava muito tempo com ela). Certa vez estava o rei um dia em companhia da filha e se aborreceu com ela e saiu de sua boca uma frase: "Que o "não-bom" te leve". Ao anoitecer ela foi ao seu quarto e de manhã não sabiam onde ela estava. 0 pai (ou seja o rei) ficou muito triste e foi procurá-la por aqui e por ali. 0 vice-rei então se levantou pois ele viu que o rei estava tão sentido e pediu que lhe fosse dado um servente com um cavalo e dinheiro para as despesas e partiu em sua procura. E ele muito a procurou por um tempo muito longo até que ele a achou. (Agora ele conta como ele a procurou até achá-la).

[O vice-rei a procura há muito tempo, até que a encontra][editar]

Ele já ia um longo tempo. Por desertos, campos, florestas e a procurou por um tempo muito longo. Estava indo em um deserto quando viu um atalho do lado e pensou consigo mesmo: "Já estou caminhando há tanto tempo no deserto e não consigo encontrá- la, irei por esse atalho talvez eu chegue em um povoado. E ele foi um longo tempo. Depois ele viu um castelo com muitos soldados ao redor. E castelo era muito bonito e os soldados estavam lá postados de uma forma muito ordenada. E ele teve medo dos soldados, talvez eles não o permitissem de entrar. Então ele pensou consigo mesmo: "Eu vou tentar". E deixou o cavalo e foi até o castelo, e então deixaram-no entrar e não o incomodaram em nada. E ele foi caminhando de um quarto até outro quarto e não o incomodaram. E ele chegou até um palácio e ele viu que o rei estava sentado lá com sua coroa e vários soldados se postavam ao seu redor e vários músicos com seus instrumentos à sua frente e tudo lá era muito bonito e agradável e nem o rei e nem nenhum dos seus soldados lhe perguntou algo. E ele viu lá boa comida. E ele foi e comeu. E ele foi e deitou em um canto para ver o que iria se fazer lá. E ele viu que o rei ordenou que lhe trouxessem a rainha. E foram trazê-la e lá se fez um grande clamor e uma grande alegria e os músicos tocaram e cantaram muito pois tinham trazido a rainha. E trouxeram uma cadeira para ela e a sentaram ao seu lado. E ela era a filha do rei. E ele a viu e a reconheceu. Depois a raínha deu uma espiada e vii alguém deitado em um canto e ela o reconheceu. Ela então se levantou da cadeira e foi até ele e tocou nele e lhe perguntou: "Você me conhece?" E ele lhe respondeu: "Sim, eu a conheço. Você é a filha do rei que se perdeu.

[O Conselho da princesa; o vice-rei falha][editar]

E ele lhe perguntou: "Como você chegou aqui?" E ela lhe respondeu que por causa que seu pai lhe falou aquela frase (ou seja que o "não-bom" a levasse), e aqui é o lugar que "não é bom". E ele contou lhe que seu pai estava muito triste e que ele a procurava há vários e vários anos. E ele lhe perguntou: "Como posso eu te tirar?" E ela lhe respondeu: "Você não pode me retirar, a menos que você escolha um local e sente lá um ano e todo esse ano você peça para me retirar e quando você tiver um tempo você apenas peça e deseje e ambicione de me retirar. E que você jejue. E no último dia do ano você terá que jejuar e não poderá dormir vinte e quatro horas". E ele foi e assim fez. E no final do ano, no último dia ele jejuou e não dormiu e partiu para lá (ou seja até a filha do rei para retirá-la). E ele viu uma árvore e sobre a árvore cresciam maças muito bonitas e lhe eram muito atraentes à seus olhos e ele foi e comeu delas. E logo que ele comeu a maça ele caiu e um sono se apoderou dele e ele dormiu um tempo muito longo. E o servente tentou acordá-lo mas não conseguiu acordá-lo. Depois ele acordou do sono e perguntou ao servente: "Onde eu estou no mundo?" E ele lhe contou toda a estória: "Você está dormindo já tem um tempo muito longo, já são vários anos e eu me sustentei das frutas". E ele ficou muito sentido. E partiu para lá e achou-a lá (ou seja, a filha do rei). E ela reclamou muito dele e estava muito sentida. Por causa de um dia você perdeu (ou seja, por causa que você não conseguiu se conter um dia e você comeu da maça, então você perdeu), pois se você tivesse vindo nesse dia você teria me retirado. Está certo que não comer é algo muito difícil, especialmente no último dia quando os "maus pensamentos" crescem muito. Sendo assim, você deverá novamente escolher para si um local e novamente ficar lá um ano e no último dia você poderá comer, só não poderá dormir e não poderá beber nenhum vinho para não adormecer pois o principal é o sono". E ele foi e assim fez. No último dia ele foi para lá e ele viu uma fonte corrente e a fonte tinha uma aparência avermelhada e o seu odor era de vinho. E ele perguntou ao servente: "Você viu? Isso é uma fonte (que deveria conter água) e a sua aparência é avermelhada e o seu odor é de vinho. E ele foi e provou da fonte e ele logo caiu e dormiu vários anos, setenta anos. E passaram muitos soldados com os seus mantimentos e o servente se escondeu dos soldados. Depois passou uma carruagem e lá estava sentada a filha do rei. E ela parou perto dele, saltou e sentou-se à seu lado e o reconheceu e tentou muito acordá-lo. E ele não pode acordar. E ela então começou a reclamar dele por tanto e tanto esforço e empecilhos que você se esforçou tantos anos e se incomodou tanto tempo para me retirar e por causa de um dia que você poderia ter me retirado e você perdeu tudo. E ela chorou muito e disse: "É uma grande pena por ti e por mim. Há tanto tempo eu estou aqui e não posso sair". Depois ela pegou um lenço da cabeça e escreveu nele com suas lágrimas e deixou ao lado dele e se levantou e sentou-se na carruagem e partiu.

[O lamento da Princesa; Como ela ainda pode ser encontrada][editar]

Mais tarde ele acordou e perguntou ao servente: "Onde estou no mundo?" E ele lhe contou toda a estória e que passaram muitos soldados por lá e que lá esteve a carruagem e que ela chorou sobre ele e que ela gritou que era uma grande lástima para ele para ela etc..., conforme mencionado. Nesse interim ele deu uma olhada e viu o lenço colocado à seu lado e ele perguntou: "De vem isso?" E ele lhe respondeu: "Ela deixou-o e escreveu sobre ele com suas lágrimas". Então ele pegou o lenço e colocou contra o sol e começou a ver as letras e ele leu o que estava escrito lá, suas lamúrias e seus gritos acima mencionados (lá estava escrito) que agora ela já não estava mais no castelo (que estava anteriormente) e que ele procurasse uma montanha de ouro com um castelo de pérolas e que lá ele a encontraria. E ele então deixou o servente e foi sozinho procurá-la. E foi e a procurou vários anos. E pensou consigo mesmo que certamente em um povoado não se encontraria nenhuma montanha de ouro e castelo de pérolas pois ele era perito em mapas geográficos, sendo assim eu irei procurá-la nos desertos. E ele foi procurá-la nos desertos vários e vários anos. Depois ele viu um homem, um homem muito alto de uma altura que não era humana. E carregava uma grande árvore que não se encontra assim tão grande em um povoado. E esse homem lhe perguntou: "Quem é você?" E ele lhe respondeu: "Eu sou um homem". O grande homem se surpreendeu e disse: "Eu já estou há tanto tempo no deserto e não vi venhuma vez nenhum homem por aqui. E ele lhe contou então toda a estória, conforme mencionado, e que ele estava procurando uma montanha de ouro e um castelo de pérolas. E ele lhe respondeu que isso certamente não existe, e o repeliu e lhe disse: "Você foi iludido com besteiras pois isso certamente não existe". E ele começou a chorar muito (ou seja, o vice-rei chorou muito e disse) : "Isso certamente existe sim, em algum lugar e pode ser achado" E ele o repeliu (ou seja, o estranho homem o repeliu e lhe disse) : "Besteiras te contaram". E ele disse (o vice-rei): "Certamente pode ser encontrado". Então ele lhe disse ( o estranho homem para o vice- rei): "Na minha opinião é besteira, porém devido à sua insistência, por eu ser o responsável por todos os animais eu te farei um favor e chamarei todos os animais para que eles percorram todo o mundo, talvez um deles saiba da montanha de ouro com o castelo". E então ele chamou todos os animais dos pequenos aos grandes, todos os tipos de animais e lhes perguntou e todos eles lhe responderam que não viram. E ele lhe falou: "Viu te contaram uma besteira, ouça o meu conselho e volte para trás pois você certamente não vai encontrar pois ele não existe no mundo". E o vice-reinsistiu muito e disse que certamente existe. Então ele lhe disse (o estranho homem ao vice-rei): "Eu tenho um irmão no deserto e ele é o responsável por todos os pássaros, talvez eles saibam pois eles sobrevoam alto pelos ares e talvez eles tenham visto a montanha com o castelo, vá até ele e lhe diga que eu te mandei para ele". E ele foi vários e vários anos procurar e ele novamente encontrou um homem muito grande, conforme mencionado, que também carregava uma grande árvore e também lhe perguntou conforme o anterior. E ele lhe respondeu toda a estória e que seu irmão o tinha enviado para ele. E ele também o repeliu pois isso certamente não se encontra. E o vice-rei insistiu muito com ele alegando que também certamente existe. Então ele lhe disse: "Eu sou o responsável por todos os pássaros, vou chamá-los talvez eles saibam". E ele chamou todos os pássaros e perguntou à todos do pequeno ao grande e eles lhe responderam que não sabia da montanha com o castelo. Então ele lhe disse: "Você vê, certamente não existe, Ouça o meu conselho e volte para trás pois certamente não existe". E ele (o vice-rei) insistiu muito e disse que certamente existia no mundo. Então ele lhe disse: "Lá adiante no deserto se encontra meu irmão e ele é o responsável por todos os ventos e eles percorrem por todo o mundo, talvez eles saibam". E ele foi vários e vários anos procurar e ele novamente encontrou um grande homem como o anterior que também carregava uma grande árvore e ele também lhe perguntou conforme mencionado. E ele também lhe respondeu toda a estória. E o homem também o repeliu. E o vice-rei insistiu muito. E então ele lhe disse, que ele lhe faria um favor e que por sua causa chamaria todos os ventos e lhes perguntaria. E então ele os chamou. E todos ventos vieram e ele perguntou à todos e nenhum deles sabia da montanha com o castelo. Então ele lhe disse (o homem ao vice-rei): "Você vê que te contaram besteiras". E então o vice-rei começou a chorar muito e falou: "Eu sei que certamente existe" Nesse ínterim ele viu que estava vindo um vento. E o responsável se zangou com ele: "Por que você demorou tanto para vir, afinal ordenei que viessem todos os ventos, por que você não veio com eles?" Então ele lhe respondeu: "Eu me atrasei pois precisei levar uma filha do rei até uma montanha de ouro com um castelo de pérolas" Então ele muito se alegrou (ou seja, o vice-rei ficou muito feliz por já ter então conseguido ouvir aquilo que queria). E o responsável pelos ventos perguntou ao vento: "O que é lá precioso?" E ele lhe disse: "Lá tudo é precioso". Então o responsável pelos ventos disse ao vice- rei: "Pelo fato de você ter desprendido tanto tempo na procura e ter feito tanto esforço e talvez você tenha agora problemas financeiros, sendo assim eu vou te dar um instrumento que assim que colocares tua mão dentro dele retirarás dinheiro de lá". E ordenou ao vento que o conduzisse para lá. Então veio um vento forte e o conduziu até lá. E o levou até o portão e lá estavam soldados e eles não o deixaram entrar na cidade. Então ele colocou a mão no instrumento e retirou dinheiro e os subornou e entrou dentro da cidade. Era uma linda cidade. E ele foi então até um rico senhor e pagou-lhe por alimentação pois esperava ficar um tempo pois teria que usar sabedoria e raciocínio para retirá-la (e como ele a retirou ele não contou) No final ele a retirou. Amén. Selah.