Uma Campanha Alegre/II/XI

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Uma Campanha Alegre por Eça de Queirós
Volume II, Capítulo XI: Autorizadas opiniões sobre o estado da administração pública


Janeiro 1872.

Registemos esta preciosa declaração do chefe da oposição. Vamos guardá-la, como uma jóia - em algodão.

O Sr. Sampaio, ministro do Reino, no relatório do seu projecto de Reforma

Administrativa, declara que a administração, como está, é uma confusão vergonhosa, uma desorganização funesta, um abandono mortal... Enfim - que o País chegou à última decadência administrativa.

Registemos esta confissão sincera do sr. ministro do Reino. Vamos guardá-la, como um bicho precioso - em espírito de vinho.

Resultado: o ministro do Reino e o chefe da oposição declaram oficialmente o

País num estado deplorável de administração.

Ora nem a reforma do Sr. Luciano se efectuará, nem a reforma do Sr. Sampaio se realizará.

De tal sorte, que resta? Que estamos num abominável estado de administração - segundo confessa o Governo e segundo confessa a oposição: e que ficamos nesse estado!

É risonho.

O Sr. Luciano de Castro, chefe da oposição, fez no relatório, que precede o seu projecto de Reforma Administrativa, uma exposição sombria da administração do País.

Aí confessa que acabou a fé política e a dignidade política; que não existem partidos com ideias, ruas facções com invejas; que o País está desorganizado e entregue ao abandono; que cada reforma cai sucessivamente com cada Governo; que as leis são um aparato de eloquência parlamentar e não uma eficácia de organização civil... Enfim - que o País chegou à última decadência administrativa.