Viriato

Wikisource, a biblioteca livre
(Redirecionado de Viriato (wikitexto))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Viriato
por Fernando Pessoa
Poema publicado em Mensagem (1934).
Monumento a Viriato em Viseu, Portugal.

Se a alma que sente e faz conhece
Só porque lembra o que esqueceu,
Vivemos, raça, porque houvesse
Memoria em nós do instincto teu.

Nação porque reincarnaste,
Povo porque resuscitou
Ou tu, ou o de que eras a haste —
Assim se Portugal formou.

Teu ser é como aquella fria
Luz que precede a madrugada,
E é já o ir a haver o dia
Na antemanhã, confuso nada.