A Musa Venal

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Musa Venal
por Charles Baudelaire, traduzido por Delfim Guimarães
Poema publicado em As Flores do Mal


Musa do meu amor, ó principesca amante,
Quando o inverno chegar, com seus ventos irados
Pelos longos serões, de frio tiritante,
Com que has de acalentar os pésitos gelados?

Tencionas aquecer o colo deslumbrante
Com os raios de luz pelos vidros filtrados?
Tendo a casa vazia e a bolsa agonizante
o ouro vais roubas aos céus iluminados?

Precisas, para obter o triste pão diário,
Fazer de sacristão e de turibulário,
Entoar um Te-Deum, sem crença nem favor,

Ou, como um saltimbanco esfomeado, mostrar
As tuas perfeições, através d'um olhar
Onde ocultas, a rir, o natural pudor!