A Moça Mais Bonita do Rio de Janeiro/X

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Moça Mais Bonita do Rio de Janeiro por Artur de Azevedo
Capítulo X


Ao sair de casa de d. Firmina, o barão de Moreira e o Pimenta encaminharam-se para a estação e tomaram o trem de ferro, sem trocar palavra.

Só alguns instantes depois de sentados e quando o carro já estava em movimento, o noivo rompeu o silêncio:

— Ouviste, Pimenta?

— O quê?

—"Remígio!... Meu Remígio!..."

— Ora que tem isso? Delírio da febre! Ela disse Remígio como poderia dizer Alfredo ou Bonifácio!

E os dois amigos calaram-se de novo, até que o trem chegou à estação Central. Ali separaram-se. O barão tomou um tílburi e o Pimenta, cortando em diagonal o Campo de Santana, encaminhou-se para o miserável tugúrio da rua do Lavradio, pensando na tremenda hipótese de, gorado o casamento, perder a cobiçada "lambugem".