A Velha Bizunga

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Velha Bizunga
coletado por Sílvio Romero
Publicado em Cantos populares do Brasil. (Versão de Maricá, Rio de Janeiro)

Velha Bizunga,
Casai vossa filha,
Pra termos um dia
De grande alegria.
"Eu, minha filha,
Não quero casar;
Pois não tenho dote
Para a dotar.
Saiu a Preguiça,
De barriga lisa:
— Case a menina,
Que eu dou a camisa.
"Quem dê a camisa
Decerto nós temos;
Mas a saia branca,
Donde a haveremos?
Saiu a Cabrita
Do mato manca:
— Case a menina,
Darei a saia branca.
"Quem dê saia branca
De certo nós temos;
Mas o vestido,
Donde o haveremos ?
Saiu o Veado
Do mato corrido:
— Case a menina,
Que eu dou o vestido.
"Quem dê o vestido
De certo nós temos;
Porém os brincos,
Donde os haveremos?
Saiu o Cabrito
Dando dois trincos:
— Case a menina,
Eu darei os brincos.
"Quem dê os brincos
De certo nós temos;
Mas falta o ouro,
Donde o haveremos?
Saiu do mato
Roncando o Besouro:
— Case a menina,
Qu'eu darei o ouro.
"Quem nos dê o ouro
De certo nós temos;
Mas a cozinheira,
Donde a haveremos?
Saiu a Cachorra
Descendo a ladeira:
— Casai a menina,
Serei cozinheira.
"Quem seja a cozinheira
É certo já temos;
Porém a mucama.
Donde a haveremos?
Saiu a Traíra
De baixo da lama;
— Casai a menina,
Serei a mucama.
"Quem seja a mucama
De certo nós temos,
Porém o toucado,
Donde o haveremos ?
Saiu o Coelho
Todo embandeirado:
— Casai a menina,
Darei o toucado.
"Quem dê o toucado
É certo que temos;
Porém o cavalo,
Donde o haveremos ?
Saiu do poleiro
Muito teso o Galo:
— Casai a menina,
Que eu dou o cavalo.
"Quem dê o cavalo
De certo nós temos;
Porém o selim,
Donde o haveremos ?
Saiu um burro
Comendo capim:
— Casai a menina,
Darei o selim.
"Quem dê o selim
É certo que temos;
Porém falta o freio,
Donde o haveremos?
Saiu uma vaca,
Pintada no meio:
— Casai a menina,
Eu darei o freio.
"Quem nos dê o freio
Sim, senhores, temos;
Porém a manta,
Donde a haveremos?
Saiu a Onça,
Co'a boca que espanta:
— Casai a menina,
Que darei a manta.
"Quem nos dê a manta,
É verdade temos;
Mas quem será o noivo?
Donde o haveremos?
Saiu o Tatu
Com o seu casco goivo:
— Casai a menina,
Que eu serei o noivo.
"O noivo tratado
De certo nós temos;
Porém o padrinho,
Donde o haveremos?
Saiu o Ratinho
Todo encolhidinho:
— Casai a menina,
Serei o padrinho.
"Quem seja o padrinho
De certo nós temos;
Porém a madrinha.
Donde a teremos?
Saiu a Cobrinha,
Toda pintadinha
— Casai a menina,
Serei a madrinha.
"Quem seja a madrinha
Decerto nós temos;
Mas quem pague o padre,
Donde o haveremos?
Saiu a Cobrinha,
Que era a comadre:
— Casai a menina,
Pagarei ao padre.
Cada um dando o que pôde
Todos se arrumaram:
Chamado o padre,
Logo se casaram.
Caindo o sereno
Por cima da grama,
Debaixo da pedra
Fizeram a cama,
Se divertiram,
Cantaram, dançaram;
E diz o Lagarto
Que também tocaram.
Se é verdade ou não,
Isso lá não sei;
O que me foi contado
Eu também contei.
O que sei só é
Que tanto brincaram,
Que todos também
Se embebedaram.
Até eu também
Me achei na fonção,
E pra casa truce
De doce um buião.