A experiência

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A experiência
por Gonçalves de Magalhães
Poema publicado em Suspiros Poéticos e Saudades.


Experiência! Médico tardio,
Tua voz útil fora, se mais cedo
Em nossa alma soasse!

De tropeço em tropeço vai-se a vida,
Como o rio entre seixos se despenha;
Nada o curso lhe tolhe.

Das paixões o marulho estrepitoso,
Como o som da cascata caudalosa,
Cobre, abafa teu eco.

Em jogo pueril, vendando os olhos,
O infante, na planice, embalde ensaia
Da estrada andar em meio.

Ângulos forma; alfim se esbarra a um tronco;
Assim andamos nós olhivendados
Pela estrada da vida!

Cai-nos a venda do barranco às bordas,
Quando nas suas lúbricas crateras
Já nossos pés deslizam.

Vem a velhice, que melhor te escuta,
Refletimos então; porém que importa!
O tempo é já passado!

Do que serve ao cadáver o remédio?
Um mestre ao moribundo? um guia àquele,
Que marcha ao cemitério?