Ai meu amig'e meu lum'e meu bem

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
- Ai meu amig'e meu lum'e meu bem
por Afonso Eanes de Coton


- Ai meu amig'e meu lum'e meu bem,
vejo-vos ora mui trist'e por en
queria saber de vós ou d'alguém
       que est aquest'ou por que o fazedes?
- Par Deus, senhor, direi-vos ũa rem:
       mal estou eu, se o vós nom sabedes.
  
- Mui trist'andades, há mui gram sazom,
e nom sei eu porquê nem porque nom;
dizede-mi ora, se Deus vos perdom,
       que est aquest'ou por que o fazedes?
- Par Deus, ai coita do meu coraçom,
       mal estou eu, se o vós nom sabedes.
  
- Vós trist'andades e eu sem sabor
ando, porque nom sõo sabedor
se vo-lo faz fazer coita d'amor;
       que est aquest'ou por que o fazedes?
- Par Deus, ai mui fremosa mia senhor,
       mal estou eu, se o vós nom sabedes.
  
- Mui trist'andades [vós] e nom sei eu
o por que [é, e] poilo nom [mi é lheu],
dizede-mi-o, e nom vos seja greu,
       que est aquest'ou por que o fazedes?
- Par Deus, senhor, ai mia coita e [mal] meu
       mal estou eu, se o vós nom sabedes.