Alma solitaria

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alma solitaria
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Alma solitária.



Ó Alma doce e triste e palpitante!
Que cytharas soluçam solitarias
Pelas Regiões longinquas, visionarias
Do teu Sonho secréto e fascinante!

       5Quantas zonas de luz purificante,
Quantos silencios, quantas sombras várias
De esphéras immortaes, imaginarias,
Faliam comtigo, ó Alma captivante!


Que chamma accende os teus pharóes nocturnos
       10E véste os teus mysterios taciturnos
Dos esplendores do arco de alliança?

Por que és assim, melancholicamente,
Como um archanjo infante, adolescente,
Esquecido nos valles da Esperança?!