As mãos de minha avó

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
As mãos de minha avó
por Luís Delfino
Publicada em Rosas Negras.


Como manhã doirada e cor de rosa,
Que as asas cortam de uma pomba mansa,
Da minha avó trinava a mão rugosa
Nos meus loiros cabelos de criança.
 
A sua pele fora setinosa,
Com reflexos que o sangue à neve lança;
Passou com os anos por total mudança,
Sem contudo deixar de ser mimosa.
 
A fina palma o tempo avermelhara,
E o dorso, que riscavam grossas veias,
Tinha o tremor de um pássaro que pára.
 
— E eu me dizia: As suas mãos são feias,
Mas... quando as abre, abre-me uns céus, que enluara
A meiga luz de duas luas cheias.