As mias jornadas vedes quaes som

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
As mias jornadas vedes quaes som
por Afonso Eanes de Coton


As mias jornadas vedes quaes som,
meus amigos, meted'i femença:
de Castr'a Burgos e end'a Palença,
e de Palença sair-mi a Carrion
e end'a Castro; e Deus mi dê conselho,
ca vedes: pero vos ledo semelho,
muit'anda trist'o meu coraçom.
  
E a dona que m'assi faz andar
casad'é, ou viúv'ou solteira,
ou touquinegra, ou monja ou freira;
e ar se guarde quem s'há por guardar,
ca mia fazenda vos dig'eu sem falha;
e rog'a Deus que m'ajud'e mi valha
e nuncas valh'a quem mi mal buscar.
  
E nom vos ous'eu dela mais dizer
de como...............................
nom há i tal que logo nom..........
.....................que em seu parecer
nom...............................
[...]