Belleza sem amor!

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Belleza sem amor!
por José da Silva Maia Ferreira
Poema publicado em Espontaneidades da minha alma. A rubrica com local e data provem da Lisia poetica. [1]


Carlinda queres ouvir
A revelação do amor
Repara, mas sem punir
O teu mesquinho cantor.
Linda és qual linda rosa
Iguálas uma deidade
No mundo não ha beldade
Á tua sem paridade,
Á tua tão primorosa.

Uma paixão lisa e pura
Gastos tempos já roubaram
Uma fé sem ser perjura
Só os antigos mostraram.
Todas nos labios candor
Affectam mago sorrir —
Castas querem difundir
Almos gozos sem sentir
Bem contrarios ao amor!

Ronca ao longe a tempestade
Ah! descóras — Já te esquecem
As promessas da amizade
Que jurastes ao trovador?!..


Rio de Janeiro, 9 de janeiro de 1849.

Notas[editar]

  1. MONTEIRO, José Ferreira (Org.).Lisia poetica. Rio de Janeiro: [s. n.], 1848. v. 3, p. 308.