Bondade (grafia original)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bondade
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Bondade (grafia atualizada).



É a bondade que te faz formosa,
Que a alma te divinisa e transfigura;
É a bondade a rosa da ternura,
Que te perfuma com perfume á rosa.

       5Teu ser angelical de luz bondosa,
Verte em meu ser a mais subtil doçura,
Uma celeste, limpida frescura,
Um encanto, uma paz maravilhosa.


Eu affronto comtigo os vampirismos,
       10Os corruptos e mórbidos abysmos,
Que em vão busquem tentar-me no caminho.

Na suave, na doce claridade,
No consolo de amor dessa bondade
Bebo a tu'alma como ethéreo vinho.