Camilleana

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
 
CAMILLEANA
 
Camilo Castelo Branco - Gravura.jpg

Doão Xavier da Motta


 

CAMILLEANA


 

COLLECÇÃO

das Obras de

CAMILLO CASTELLO BRANCO
 

 
RIO DE JANEIRO
Companhia Impressora, Rua Nova do Ouvidor n. 7
1891
 

Á

MEMORIA

DE

Camillo Castello Branco

 
 

Quão doce é o louvor, e a justa gloria
Dos proprios feitos, quando são soados!
Qualquer nobre trabalha, que em memoria
Vença, ou iguale os grandes já passados.

 

Camões.

 
 

Esta pequena peça, mal polida, offerecemol’a aos contemporaneos para o monumento que começam a levantar á memoria do genial escriptor e estylista insigne — Camillo Castello Branco — aquelle que, com o seu pujante talento e vasta imaginação, produzio o maior e mais iriado fóco da opulenta litteratura que tem como centro as irradiantes e preciosissimas joias do immortal cantor das lusas glorias!

 

Rio, 10 de Março de 1891.

 

O Auctor

 
CAMILLEANA
 

Aqui ergue-se a mente, e do cume da idéa
vê estrellejar de um Deus a face gigantêa.

Visconde de CastilhoJulio

 

Abençoadas lagrimas!. Drama. Lisboa 1861. 2ª edição, Lisboa 1866. 1 vol.

Agostinho de Ceuta. Drama. Bragança 1847, 2ª edição, emendada, Porto 1858. 3ª edição, emendada, Porto 1887. 1 vol.

Agulha em palheiro. Rio de Janeiro 1863. 2ª edição, revista pelo auctor, Porto 1865. 3ª edição, Porto 1888. 1 vol.[1]

Amor de perdição. Porto 1862. 2ª edição, melhorada e revista pelo auctor, Porto 1864. 3ª edição, Porto 1870. 4ª edição, Porto 1876. 5ª edição, prefaciada e revista pelo auctor, Porto 1879. 1 vol.

Amor de salvação. Porto 1864. 2ª edição, Porto 1874. 3ª edição, Porto 1887. 1 vol.

Amores (Os) do diabo. Traducção. Porto 1872. 1 vol.

Anathema. Porto 1851. 2ª edição, emendada, Porto 1858. 3ª edição, Porto 1875. 1 vol.

Annos de prosa. Porto 1863. Lisboa, sem data. 1 vol.[2]

Antonio (D.) Alves Martins, bispo de Vizeu. Esboço biographico. Porto 1870. 1 vol.

Ao anoitecer da vida. Ultimos versos. Lisboa 1874. 1 vol.

Assassino (O) de Macario. Comedia. Versão. Porto 1886. 1 vol.

Aventuras de Bazilio Fernandes Enxertado. Lisboa 1863. 2ª edição, Lisboa 1872. 1 vol.

Bem (O) e o mal. Porto 1863. Lisboa, sem data, 3ª edição, revista e emendada pelo auctor, Lisboa 1877. 1 vol.

Biographia de Camillo Castello Branco. Com o retrato do biographado. Por J. C. Vieira de Castro. Porto 1861, 2ª edição, correcta e augmentada, Porto 1862. 1 vol.[3]

Bohemia do espirito. Com o retrato do auctor. Porto 1886. 1 vol.:

Mad. de Paiva. Impressionissimo: Duas paginas das minhas memorias d’além da campa; O jazigo de A. Herculano; Os jesuitas e a restauração de 1640; Scenas d’um drama intitulado Tentaçoens de serpente; D. Francisco Manoel de Mello[4]; Delicta sinectutis meoe; A espada de Alexandre[5]; Luiz de Camões[6]. Esboços de perfis litterarios-Guilhermino de Barros, Alves Mendes, Manoel de Mello, Carlos Braga, José Augusto Vieira, Augusto Gama, Narciso de Lacerda. A senhora Rattazzi[7]. Sebenta, bollas e bullas[8]. A prelecção do snr. doutor Avelino Cesar Callisto, O folheto do snr. dr. Callisto, A cavallaria da Sebenta, Preludio. Aos senhores priores. Kermesses e centenarios-Fel convertido em balsamo, Sanguinarios sanctos, No Bom Jesus, Comparações, Castilho republicano, Illma. e Exma. Snra. D. Maria Amalia Vaz de Carvalho. Modelo de polemica portuguesa[9]. Brazileira (A) de Prazins. Porto 1882. 1 vol.

Brilhantes (Os) do brazileiro. Lisboa, sem data (1869), 2ª edição, revista e correcta pelo auctor, Lisboa, sem data. 1 vol.

Brocas (Os),[10]

Bruxa (A) do monte Cordova. Lisboa, sem data (1867). 1 vol.

Caleche (O). Porto 1849?. 1 vol.

Cancioneiro alegre de poetas portuguezes e brazileiros. Porto 1879[11]. 2ª edição, seguida de Os criticos do Cancioneiro alegre, Porto 1887. 1 vol.:

Alexandre da Conceição, Alfredo de Carvalhaes, Alvares de Azevedo, Anonymo, Anthero de Quental, Augusto Soromenho, Azevedo Castello Branco, Barão de Roussado, Bocage, Braz Luiz d’Abreu, Bulhão Pato, Cabedo (Antonio de), Camillo Castello Branco, Camões, Cascaes, Casimiro d’Abreu, Claudio José Nunes, Conde d’Azevedo, Correia d’Almeida, Diogo de Macedo, Donnas Boto, Duarte d’Almeida, Fagundes Varella, Faustino Xavier de Novaes, Fernando Caldeira, Filgueiras, Francisco Palha, Franco de Sá, Garção, Gil Vicente, Girão (Antonio Luiz Ferreira), Gomes d’Amorim, Gomes Leal, Gonçalves Crespo, Gonçalves Dias, Guerra Junqueiro, Guilherme d’Azevedo, Guilherme Braga, João de Deus, João Penha, Jorge d’Aguiar, Moniz Barreto, Nunes da Ponte, Palmeirim, Papança, Paredes, Paulino Cabral, Pedro Diniz, Sá Coutinho, Simões Dias, Sousa Andrade, Thomaz Pinto Brandão, Thomaz Ribeiro, Vidal, Visconde d’Almeida Garrett, Visconde de Castilho, Visconde da Pedra Branca, Viterbo, Xavier da Cunha.

Carlota Angela. Vianna 1858. 2ª edição, Porto 1860. 2ª edição, melhorada, Lisboa 1864. 3ª edição, Porto 1874. 1 vol.

Carrasco (O) de Victor Hugo José Alves. Porto 1872. 1 vol.

Carta de guia de casados, por D. Francisco Manoel. Porto 1873. 1 vol.[12]

Catalogo methodico de livros antigos e modernos em diversas linguas e manuscriptos pertencentes a C. C Branco. Porto 1870, 1 vol.

Cavar em ruinas. Lisboa, sem data (1866). 2ª edição, Lisboa, sem data, (1867?). 1 vol.:

As moscas. Frades, ursos e um duque de Bragança. O primeiro inquisidor portuguez. Uma epistola de Garrett e o Porto. O mosteiro de Lessa. Fr. João Lopes. A vida picaresca. O bispo e a Misericordia do Porto. O habito de fr. Diogo. Os sinceiraes de Coimbra. O Forra-gaitas. Versos a Joaninha e á lua. Aviso aos adulteros. Outro aviso. Um sermão de Santa Maria Magdalena. O que são os ventos?. Mephistopheles e Maria Antonia. O meu condiscipulo.

Caveira (A) da martyr. Lisboa 1875-76. Contrafacção, Rio de Janeiro 1884. 3 vols.[13]

Clero (O) e o Sr. Alexandre Herculano|Clero (O) e o Sr. Alexandre Herculano. Sem o nome do auctor. Lisboa 1850. 1 vol.[14]

Como os anjos se vingam. Drama. Contrafacção, Rio de Janeiro 1871. 1 vol.[15]

Condemnado (O) e Como os anjos se vingam. Dramas, Porto 1870. 1 vol.[16]

Condemnado (O). Drama Contrafacção, Rio de Janeiro 1871. Porto 1882. 1 vol.[17]

Coração, cabeça e estomago. Lisboa 1862. 2ª edição, melhorada, Lisboa 1864. 1 vol.

Correspondencia epistolar entre J. C. Vieira de Castro e Camillo C. Branco. Com os retratos dos auctores. Porto 1874. 2 vols.

Cousas espantosas. Lisboa 1862. 2ª edição, Lisboa 1864. 1 vol.

Cousas leves e pesadas. Porto 1867. 2ª edição, Porto 1867. 1 vol.:

Dous corações guizados. Estudantes portuguezes em Salamanca. O primeiro baile de mascaras em Portugal. Portugal ha quatrocentro annos[18]. Saudade. Folhetim scientifico. Hydrotherapia. O academico ambicioso. Uma gloria nacional. Almeida Garrett. Um parente de cincoenta e tres monarchas. Goethe aos escriptores. Hospital do Porto. José Droz. Dezasete annos depois.

Criticos (Os) do Cancioneiro alegre e A critica benevola. Porto 1879. 1 vol.[19]

Curso de litteratura portugueza. 2º volume. Lisboa 1876. 1 vol.

Delictos da mocidade. Porto 1889. 1 vol.:

Carta de C. C. Branco. Os pundonores desaggravados, poemento[20]. O juizo final e o sonho do inferno, poema[21]. Communicado. Principios para uma consequencia. Sentimento. Uma noite no cemiterio. Algumas flores para um triumpho. A Julio do Carvalhal Sarmento e Pimentel, poesia. Um dia depois de Val-Passos. Notas.

Demonio (O) do ouro. Lisboa 1873-74. 2 vols.

Diccionario universal de educação e ensino. Traducção. Porto 1873. Nova edição, augmentada, Porto 1885-86. 2 vols.

Difamação dos livreiros. Porto 1886. 1 vol.

Divindade de Jesus. Porto 1865. Porto 1882. 1 vol.[22]

Doida (A) do Candal. Lisboa 1867. 2ª edição, Lisboa, sem data (1867). Lisboa 1888. 1 vol.

Dous murros uteis. Drama. Lisboa 1873. 1 vol.[23]

Doze casamentos felizes. Porto 1861. 2ª edição, revista pelo auctor, Porto 1863. 1 vol.

Duas épocas da vida. Poesia. Porto 1854. 2ª edição, melhorada, incluindo a poesia Hossana. Lisboa 1865. 1 vol.[24]:

Preceitos de coração. Preceitos de consciência.

Duas horas de leitura. Porto 1857. 2ª edição, augmentada, Porto 1858. 3ª edição, Porto 1868. 1 vol.:

Dous santos não beatificados em Roma. Do Porto a Braga. (Na edição de 1857.)

Dous santos não beatificados em Roma. Impressão indelevel. 7 de Junho de 1849. Do Porto a Braga. (Na 2ª e 3ª edições.)

Echos humoristicos do Minho. Publicação quinzenal. Cartas ao jornal O Cruzeiro, do Rio de Janeiro. Porto 1880. 4 vols.

Engeitada (A). Porto 1866. Lisboa, sem data. Lisboa 1878. 1 vol.

Entre a flauta e a viola. Comedia. Porto 1882. 1 vol.[25]

Esboços de apreciações litterarias. Porto 1865. 1 vol.:

Coelho Louzada, Ernesto Biester, Faustino Xavier de Novaes, Francisco Martins de Gouvêa Moraes Sarmento, Ignacio Pizarro de Moraes Sarmento, D. João de Azevedo, Joaquim Pinto Ribeiro, Joaquim Pinto Ribeiro Junior, José Barbosa da Silva, José Gomes Monteiro, Joseph Gregorio Lopes da Camara Sinval, Julio Cesar Machado, Luiz Augusto Rebello da Silva, Manoel Roussado, Marqueza d’Alorna, Raimundo de Bulhão Pato, Ramos Coelho, Soares de Passos, Theophilo Braga.

Espada (A) de Alexandre. Córte profundo na questão do Homem-mulher e mulher-homem. Por um socio prendado de varias philarmonicas. Porto 1872. Contrafacção, Rio de Janeiro 1872. 1 vol.[26]

Espelho de desgraçados.[27]

Espinhos e flores. Drama. Porto 1857, com o retrato do auctor. 2ª edição, Porto 1857. 3ª edição, Porto 1864, 1 vol.

Esqueleto (O). Lisboa 1865. 1 vol.

Estrellas funestas. Porto 1862. 2ª edição, Porto 1869. 3ª edição, Porto 1882. 1 vol.

Estrellas propicias. Porto 1863. Lisboa, sem data (1868?). 1 vol.

Fanny. Traducção. Porto 1861. 2ª edição, Porto 1862. 3ª edição, Porto, sem data. 1 vol.

Filha (A) do arcediago. 2ª edição, emendada, Porto 1858. 2ª edição, Porto 1861. 3ª edição, Porto 1868. 1 vol. [28]

Filha (A) do doutor negro. Porto 1864. Lisboa, sem data. 2ª edição, revista e correcta pelo auctor, Lisboa, sem data. 1 vol.

Filha (A) do regicida. Lisboa 1875. 1 vol.[29]

Folhas cahidas, apanhadas na lama. Por um antigo juiz das almas de Campanhan, e socio actual da Assembléa Portuense, com exercicio no Palheiro. Poesia. Porto 1854. 1 vol.

Formosa (A) Lusitania. Traducção. Porto 1877. 1 vol.

Freira (A) no subterraneo. Traducção. Porto 1872. 2ª edição, Porto 1875. 3ª edição, Porto 1884. 1 vol.

General (O) Carlos Ribeiro. Porto 1884. 1 vol.

Genio (O) do christianismo. Traducção. Porto 1860. 2ª edição, correcta, Porto 1864. 2 vols.

Gonçalinho (O) de Carude. Romance realista.[30]

Historia de Gabriel Malagrida. Traducção. Lisboa 1875. 1 vol.

Historia e sentimentalismo. Porto 1879-80[31]. 2ª edição, revista pelo auctor, Porto 1880[32]. 2 vols.:

1.º Historia-Estudos para a formação do livro D. Antonio, Prior do Crato: Duarte de Castro; Manoel da Silva Coutinho; D. Francisco de Portugal. A lenda do Machim. Sentimentalismo-Euzebio Macario, romance realista[33].

2.º Historia-Gil Vicente; Sá de Miranda; Pena de Talião; Tragedias da India. Sentimentalismo-A Corja, romance realista[34].

Horas de luta. Porto 1889. 1 vol.[35]

Horas de paz. Escriptos religiosos. Porto 1865. 2ª edição, revista e emendada, Porto 1877. 1 vol.[36]

Hosanna!. Poesia. Porto 1852. 1 vol.[37]

Immortalidade (A) a morte e a vida. Traducção. Porto 1865. 3ª edição, Porto 1867. 1 vol.

Infanta (A) capellista. Porto 1872.[38]

Inferno (O). Traducção. Porto 1871. 1 vol.

Inspiraçoens. Poesia. Porto 1851. 1 vol.

Jesus Christo perante o seculo. Traducção annotada por C. C. Branco. Porto 1852. 2ª edição, Porto, sem data (1863). 2ª edição, Porto 1867. 2 vols.

Judeu (O). Porto 1866. 2 vols.

Juizo (O) final e o sonho do inferno. Poema. Por C.(amillo) F.(erreira) B.(otelho) C.(astello) Branco. Porto 1845. 1 vol.[39]

Justiça (A). Drama. Porto 1856. Porto 1858. 2ª edição, Porto 1859. 2ª edição, contrafacção, Rio de Janeiro 1871. 3ª edição; Porto 1872. 4ª edição, Porto 1874. 1 Vol.

Lagrimas abençoadas. Porto 1857. 2ª edição, Porto 1863. 3ª edição, Porto 1878. 1 vol.[40]

Livro de consolação. Porto 1872. 1 vol.

Livro (O) negro do padre Diniz. Porto 1855. 2ª edição, Porto 1863. 3ª edição, Porto 1872. 4ª edição, Porto 1880. 1 vol.[41]

Lucta de gigantes. Porto 1865. Lisboa, sem data. 1 vol.

Luiz de Camões. Notas biographicas. Porto 1880. 1 vol.[42]

[[D. Luiz de Portuga]|Luiz (D.) de Portuga]]., neto do prior do Crato. Porto 1883. 1 vol.

Maria da Fonte. Porto 1885. 1 vol.

Maria não me mates que sou tua mãi. Sem nome do auctor. Porto 1848. 1 vol.

Marquez (O) de Torres Novas. Drama. Porto 1849. 2ª edição, emendada, Porto 1858. 1 vol.

Martyres (Os). Traducção. Lisboa 1865. 1 vol.

Mata-a ou ella te matar., ou Homem-mulher ou mulher-homem. Traducção aprimorada de Gervasio Lopes Canavarro, mestre da philarmonica d’Affife, sachristão da Irmandade do Cordão e Chagas e confrade do Joaquim dos Musicos: Porto 1872. 1 vol.

Memorias do carcere. Porto 1862, 2ª edição, revista pelo auctor, Porto 1864. 3ª edição, revista pelo auctor, Porto 1881. 2 vols.[43]

Memorias de Fr. João de S. Joseph Queiroz. De um autographo. Porto 1868. 1 vol.

Memorias de Guilherme do Amaral. Obra posthuma. Lisboa 1863. 2ª edição, revista e correcta, Lisboa, sem data. 1 vol.[44]

Morgadinha (A) de Val d’Amores. Comedia. Porto 1882. 1 vol.[45]

Morgado (O) de Fafe amoroso. Comedia. Porto 1858. Porto 1861. Lisboa 1865. 1 vol.

Morgado (O) de Fafe em Lisboa. Comedia. Lisboa 1861. 2ª edição, Lisboa 1865. 1 vol.

Mosaico e sylva de curiosidades. Porto 1868. 1 vol.[46]:

A innocencia das aldeias. O castello de S. João da Foz. Á cerca dos jesuitas. Praeceptor infelix. Fr. Diogo d’Assumpção. Um bom ministro da fazenda para Portugal. Historia da egreja de N. S. da Lapa. Noticias do Porto antigo. Mafra. A meza mysteriosa. Izabel Clesse. Dos primeiros galopins eleitoraes em Portugal. Bordoada sacrilega. Manuel de Faria e Souza. O anel da benção. Manoel de Souza Coutinho e Miguel Cervantes. Passagens de uma carta autographa. Antiguidades de Braga. Carta de D. Antonio, prior do Crato. Nota ao Leproso, de X. de Maistre. As regras geraes, do snr. J. M. P. S. José Balsamo em Lisboa. Carta inedita do cardeal de Alpedrinha. Justificação de um frade. Um viajante no Minho em 1785. Divertimento das freiras de Lorvão.

Mulher (A) fatal. Lisboa, sem data (1870). 2ª edição, revista e emendada pelo auctor, Lisboa, sem data, 1 vol.

Murraça (A). Poesia. Porto 1848. 1 vol.

Mysterios de Fafe. Lisboa, sem data (1868). Lisboa 1877. 3ª edição, Lisboa 1881. 1 vol.

Mysterios de Lisboa. Porto 1854. 3 vols, 2ª edição, melhorada, com o retrato do auctor, Porto 1858. 3ª edição, Porto 1861. 4ª edição, Porto 1864, 5ª edição, Porto 1878. 2 vols.[47]

Narcoticos. Porto 1882. 2 vols.:

1.° Traços de D. João 3º. O snr. ministro. A viuva do poeta Ovidio. Silva Pinto e a sua obra. Ideias de D. João VI. Camões e os sapateiros.

2.º Os contrafactores do Brazil. Portugal e os estrangeiros. Galeria de figuras portuguezas. Galeria das sciencias contemporaneas. Jesuitas!. Tratado de historia ecclesiastica. Citania. Margarida. Cartas do marquez e marqueza de Tavora. Conde de Azevedo. Os descendentes do dr. Antonio Ferreira. Oliveira Martins-Historia da civilisação iberica e Historia de Portugal. Eleições liberrimas. O macaco e o elephante. Thomaz Ribeiro-D. Jayme, Sons que passam, Vesperas e A Delfina do mal. Observações á-Citania. A propriedade litteraria. Historia e Sentimentalismo, reparos. Ethnographos palacianos. Armas e lettras. A Luiz da Costa Pereira. Memoria sobre a historia e administração do municipio de Setubal. Lisboa antiga, pelo Visconde de Castilho. A morte de Philarète Chasles. Curso theorico e pratico de pedagogia. Poesias posthumas de F. Xavier de Novaes.

Nas trevas. Sonetos sentimentaes e humoristicos. Lisboa 1890, 1 vol.

Neta (A) do arcediago. 2ª edição, Porto 1860. 3ª edição, Porto 1874. 1 vol.[48] Continuação d’A filha do arcediago.
A primeira edição é o terceiro volume das Scenas contemporaneas, e sahiu em 1856.</ref>

No Bom Jesus do Monte. Porto 1864. 1 vol

Noites de insomnia. Publicação mensal. Porto 1874. 12 vols.:

1.° Proemio. Consolação a Santos Nazareth. As ostras. Rehabilitação do snr. visconde de Margaride. A rival de Brites de Almeida. Egas Moniz. Dous poetas ineditos do Porto. D. João III, o principe perfeito. Subsidio para a historia de um futuro santo. O livro 5° da ordenação, titulo 22. Problema historico a premio. Desastre do santo officio no Porto. Rancho do Carqueja.

2.º Aquella casa triste... Solução do problema historico. Dous preconceitos. Lisboa. Ferreira Rangel. As joias d’um ministro de D. João V no prego. O oraculo do marquez de Pombal. O principe perfeito. Ave rara. Vergonhas nacionaes. Rancho da Carqueja. Bom humor (Ao noticiarista da Actualidade). Declaração.

3.º Feitiços da guitarra. Em que veias gira o sangue de Camões?. Lisboa. Voltas do mundo. Nova solução do problema historico. Desgraçado Balzac! (Á Actualidade). Os 2 Joaquins. Flores para a sepultura de Ferreira Rangel. O mysterio da castanha. Bem vindo!. Os salões, pelo visconde de Ouguella. Subsidios para a historia da serenissima casa de Bragança.

4.º O cofre do capitão-mór. O jogador. Inedito do poeta Fr. Bernardo de Brito. Lisboa. Litteratura brazileira. Á Actualidade. A exma. madrasta d’el-rei D. Luiz I calumniada. Os salões, pelo visconde de Ouguella. O decepado. Caridade barata e elegante. Profunda reforma nos costumes da via ferrea portugueza. Formosa e infeliz. Antonio Serrão de Castro.

5.º Petronilla, Gamarra, Zamperini. Entrada para Os salões. Os salões, pelo visconde de Ouguella. Ecce iterum Silva Crispinus. Santos Silva. Doudo illustre. Renan. Correcções. Mau exemplo de poetas casados. A casa de Bragança ab ovo. Um inquisidor portuguez e o principe de Galles. A trilogia da Actualidade.

6.º Subsidios para a historia da serenissima casa de Bragança. Os salões, pelo visconde de Ouguella. Manoelinho de Evora. A morte de D. João (por Guerra Junqueiro). Poetas e prosadores brasileiros. Ácerca de Joaquim 2°. Estupido e infame (Á Actualidade). Carta ao Snr. conselheiro Viale. Quinta-essencia de malandrim (Á Actualidade).

7.º Os salões, pelo visconde de Ouguella. Uma viscondessa que não era. Bibliographia. Para a historia de D. João IV. Inedito de Manoel Severim de Faria. O Manoelinho poeta. Um baile dado a Junot, em Lisboa. Que saudade!... Carta a respeito... d’aquella cousa. Nil admirari.

8.° Os salões, pelo visconde de Ouguella. Subsidios para a historia da serenissima casa de Bragança. O paço real da Ribeira. As cruas entranhas de D. Maria I, a piedosa. D. Maria Caraca Bonaparte. Lixo. Bibliographia. Pobreza academica. Sobre Anselmo. Ao publico.

9.º Os salões, pelo visconde de Ouguella. Condemnação de corpo e alma. O doutor Botija. O palco portuguez em 1815. Bibliographia. Que segredos são estes?...

10. Beatriz de Vilalva. Se o poeta Bernardim Ribeiro foi commendador. Resposta de José Anastacio. Prefacio ao Sonho do arcebispo. O ultimo carrasco, pelo visconde de Ouguella. Curiosidades artisticas. Cantada e carpida. Bibliographia.

11. O ultimo carrasco, pelo visconde de Ouguella. O desastroso fim de Damião de Goes. A menina perdida. O heroe da ilha Terceira. O nariz. João Baptista Gomes. Auto de fé... a rir.

12. O que eram frades. Quem desterrou José de Seabra da Silva?... D. João IV e as regateiras. Fielding. Mania e hypocondria. Aos diplomatas descontentes. Bibliographia. Excelentissimos senhores. O ultimo carrasco, pelo visconde de Ouguella. O horror da demencia. Restauração de um documento historico valioso. A dança. Fim.

Noites de Lamego. Lisboa 1863. 2º edição, Lisboa 1873. 1 vol.:

Lãs e algodões. Dois casamentos. O tio egresso e o sobrinho bacharel. Tramoias desta vida. Dois murros uteis, drama[49]. A formosa das violetas. Como ella o amava!. Historia de uma porta. O infante D. Duarte. Cezar ou João Fernandes?

Nostalgias. Ultima prosa rimada. Porto 1888. 1 vol.

Novellas do Minho. Publicação mensal. Lisboa 1875-77. 12 vols.:

Gracejos que matam. O commendador. O cego de Landim. A morgada de Romariz. O filho natural. Maria Moysés. O degredado. A viuva do enforcado.

Obra. de C. Castello Branco. Edição definitiva (illustrada) revista e corrigida pelo auctor. Lisboa 1887.[50]

Obra. de C. Castello Branco. Lisboa, companhia editora de publicações illustradas (Pedro Corrêa), 1889. Em publicação.

Obulo ás crianças. Porto 1887, 1 vol.[51]

Olho (O) de vidro. Lisboa, sem data, 1866. 2ª edição, Lisboa, sem data. 1 vol.

Onde está a felicidade?. Porto 1856. 2ª edição, Porto 1860. 3ª edição, Porto 1864. 4ª edição, Porto 1878. 1 vol.[52]

Othelo, o mouro de Veneza. Esboço de critica á traducção de D. Luiz de Bragança. Porto 1886. 1 vol.

Pathologia do casamento. Drama. 2ª edição, Porto 1862. 1 vol.[53]

Perfil do Marquez de Pombal. Porto 1882. 1 vol.[54]

Poesia ou dinheiro?. Drama. Porto 1855. 2ª edição, Porto 1862. 1 vol.[55]

Poesias e prosas inedita., de Fernão Rodrigues Lobo Soropita. De um manuscripto. Porto 1868. 1 vol.

Preceitos de consciencia. Poesia. Lisboa 1865. 1 vol.[56]

Preceitos do coração. Poesia. Lisboa 1865. 1 vol.[56]

Prendas (As) dos nossos primos. Estudos humoristicos em familia ácerca da mesma.[57]

Pundonores (Os) desaggravados. Poemeto. Porto 1845. 1 vol.[58]

Purgatorio e paraiso. Drama. Porto 1857. 2ª edição, Porto 1871. 1 vol.

Quatro horas innocentes. Lisboa 1872. 1 vol.:

A Flôr da Maia. O livro de Lazaro. A corôa de oiro. Por causa do panno da bocca. O inferno. O santo de Midões. Celestina. A cruz do Corcovado. Uma carta de Ignacio Pizarro. Leitura consoladora. Em vinte annos. Pataratas, versos.

Que (O) fazem mulheres. Porto 1858. 2ª edição, Porto 1863. 1 vol.

Queda (A) de um anjo. Lisboa 1866. 2ª edição, revista e correcta pelo auctor, Lisboa, sem data. 3ª edição, Lisboa 1876. 1 vol.

Questão da Sebenta. Polemica. Porto 1883. 5 vols.:[59]

Notas á Sebenta. Notas ao folheto. A cavallaria da Sebenta. Segunda carga da cavallaria. Carga terceira.

Ratos (Os) da Inquisição. Poema inedito do judeu António Serrão de Crasto. Porto 1883. 1 vol.

Regicida (O). Lisboa 1874. 1 vol.

Retrato (O) de Ricardina. Lisboa, sem data (1868). 1 vol.

Revelações. Polemica. Porto 1852. 1 vol.

Riquezas do pobre e miserias do ric., seguidas do Livro de consolação. Traducção. Sem o nome do traductor. Porto 1858. 1 vol.[60]

Romance (O) d’um homem rico. Porto 1861. 2.ª edição, correcta e revista pelo auctor, Porto 1863. 1 vol.

Romance d’um rapaz pobre. Traducção. Lisboa 1861. Lisboa 1865. 1 vol.

Sancto (O) da montanha. Porto 1866. Lisboa, sem data. 1 vol.

Sangue (O). Lisboa, sem data (1868). 1 vol.

Scenas contemporaneas. Porto 1855-56. 3 vols.:[61]

1.º A filha do arcediago.[62]

2.º Scenas contemporaneas: Morrer por capricho. Uma paixão bem empregada. D’abysmo em abysmo. Aventuras dum boticario d’aldêa. Pathologia do casamento, drama. Cousas que só eu sei. Poesia ou dinheiro?, drama[63]. Dinheiro! dinheiro. A caveira. Uma praga rogada nas escadas da forca.

3.º A neta do arcediago.[64]

Scenas contemporaneas. 2.ª edição, Porto 1862. 1 vol.[65]

Scenas da Foz. Por João Junior. Vianna 1857. 2.ª edição, Porto 1860. 3.ª edição, Porto 1873. 1 vol.:

A sorte em preto. Dinheiro.

Scenas da hora final. Traducção. Porto 1878. 1 vol.

Scenas innocentes da comedia humana. Lisboa 1863. 2ª edição, Lisboa 1873. 1 vol:

Promessa cumprida. Tres medicos. O padre Macedo e a Zamperini. A mulher da Azinhaga. Mulheres celebres e exquisitas. O maior amigo de Luiz de Camões. Heloisa e Abeilard. A carteira de um suicida. Trezentos mil cruzados por um dente. Tormento da memoria. A rainha das Maldivas. Á urna!. Post-scriptum.

Senhor (O) do paço de Ninães. Porto 1867. Lisboa, sem data. 1 vol.

Senhora (A) Rattazzi. Critica. Porto 1880. Nova edição, mais correcta e augmentada. Porto 1880. 1 vol.[66]

Sereia (A). Porto 1865. 1 vol.

Seroens de S. Miguel de Seide. Chronica mensal. Porto 1885-86. 6 vols.:

1.º Preludio. Segundo commendador. Questoens de vida e morte. O infantilismo dos poetas.

2.º Capitulo DCCCXXXVII das minhas Memorias d’além-tumulo. Passagem do romance inedito Volcoens de lama. O virtuoso Catão e o honrado Hortencio. Questoens de vida e morte.

3.º A via-sacra. Lyra meridional, por Antonio d’Azevedo Castello Branco.

4.º A fidalguinha (poesia). Carta aos Seroens de S. Miguel de Seide. Questoens de vida e morte. Visita a um azilo de criminosos alienados.

5.º Capitulo CCCXCIX das minhas Memorias d’além-tumulo. A via-sacra. Notas conspicuas. Notas archeologicas. Visita a um azilo de criminosos alienados.

6.° A velhice do padre eterno. Goethe ridiculo. Quem era a mulher de Caim?. As creanças indigentes. Amôres serodios.

Suicida. Porto 1880. 1 vol.

Theatro comico. Porto 1871. 1 vol.:

A morgadinha de Val-d’Amores. Entre a flauta e a viola.[67]

Tres (As) irmãs. Porto 1862. 2.ª edição, revista pelo auctor, Porto 1866. 3.ª edição, Porto 1882. 1 vol. Rio Grande do Sul, contrafacção muito defeituosa, extrahido do Diario de Pernambuco, 1862. 3 vols.

Ultimo (O) acto. Drama. Lisboa 1859. Lisboa 1862. 2ª edição, Lisboa 1884. 1 vol.

Ultimo (O) anno de um válido. Fragmento de um drama do futuro. Porto 1849?. 1 vol.

Ultimo (O) morgado do paço de Carude. Romance realista.[68]

Um homem de brios. Porto 1856, com o retrato do auctor. 2ª edição, Porto 1862. 3ª edição, Porto 1869. 1 vol.[69]

Um livro. Poesia. Porto 1854. 2ª edição, emendada e augmentada, Porto 1858. 3ª edição, novamente correcta. Porto 1866. 1 vol.[70]

Vaidades irritadas e irritantes. (Opusculo ácerca d’uns que se dizem offendidos em sua liberdade de consciencia litteraria.) Porto 1866. 2.ª edição. Porto 1889. 1 vol.[71]

Vespa (A) do Parnaso. Collecção de poesias lisonjeiras. Por um mordomo das almas de Campanhã. Porto 1854. 1 vol.

Vida d’el-rei D. Affonso VI. Escripta em 1684. Porto, sem data (1873). 1 vol.

Vingança. Porto 1858. 2.ª edição, Porto 1863.

Vinho (O) do Porto. Processo de uma bestialidade ingleza. Porto 1884. 1 vol.

Vinte dias de agonia. Porto 1866. 1 vol.[72]

Vinte horas de liteira. Porto 1864. Lisboa, sem data. 1 vol.

Visconde (O) de Ouguella. Perfil biographico. Porto 1873. 1 vol.

Virtudes (As) antigas. Lisboa, sem data (1868). 1 vol.:

A freira que fazia chagas. O frade que fazia reis. A filha do pasteleiro do Madrigal. Um poeta portuguez.... rico!

Volcoens de lama. Porto 1866. 1 vol.

Voltareis, ó Christo!. Narrativa. Porto 1871. 2.ª edição, Porto 1889. 1 vol.

Jornaes que C. Castello Branco mais tempo redigio e em que mais collaborou, quer na parte politica, quer na litteraria:

Atheneu.

Aurora do Lima.

Bardo (O).

Bibliographia portugueza e estrangeira.

Bico (O) de gaz.[73]

Christianismo (O).

Clamor publico.

Coalisão.

Commercio (O) do Porto.

Correio da Europa.

Cruz (A).

Echo popular.

Futuro (O). Rio de Janeiro.

Gazeta litteraria do Porto.[73]

Grinalda (A).

Jornal do povo.

Miscellanea poetica.

Mundo (O) elegante.[73]

Nação.

Nacional.[74]

Occidente (O).

Porto e Carta.

Portuense (O).

Ribaltas e gambiarras.

Revista universal lisbonense.

Semana.

Voz do povo.

Muitos romances; poesias, polemicas e outros escriptos, dos que ficam catalogados, sahiram nos referidos e outros jornaes.

Alguns auctores e traductores illustraram as suas obras com prefacios, prologos, juizos criticos, etc., d’esse erudito mestre a quem a Historia consagrou uma das suas mais polidas paginas de ouro!.

"Camillo occupava-se, quando cegou, em um trabalho sobre Leonor Telles, do qual resultava a rehabilitação da sua memoria; outro sobre Ignez de Castro, mostrando que ella não era hespanhola, mas portugueza, pois nascêra na quinta de Oliveira, em Gaya, hoje propriedade do visconde do mesmo titulo.

"Além destes, Camillo devia deixar, se não concluidos, pelo menos em via disso, um livro inedito-A raça do prior do Crato, corpo de historia em que trabalhava ha bastantes annos.

"Um collega affirma tambem que Camillo deixou ou quasi concluido ou terminado, o romance Os Brocas.

"É inexacto.

"Camillo tencionava de facto escrever esse romance, que prendia com a historia de seus avós, e chegou até a contractar a publicação da obra com o fallecido livreiro Ernesto Chardron. Tinha, porém, Camillo de ir á Villa Real colher apontamentos e subsidios que reputava indispensaveis, quando se lhe aggravaram os padecimentos. Desistio então, e isso mesmo participou ao editor.

"O grande escriptor usou por vezes dos seguintes pseudonymos: Anastacio das Lombrigas, Archi-Zero, Saragoçano, C. da Veiga, Manoel Côco, A. E. I. O. U., Modesto, Visconde de qualquer cousa, João Junior e Gervasio Lopes Canavarro."


  1. Este romance começou a ser publicado n’O Futuro, de F. Xavier de Novaes, periodico litterario que se publicava no Rio de Janeiro, em 1863.
  2. Em seguida a este romance andam as traducções O arrependimento e A gratidão, que não são de Camillo Castello Branco.
  3. Inclue-se este livro na collecção das obras de Camillo Castello Branco, por conter cartas, artigos, poesias e traducções do fecundo escriptor.
  4. Este artigo é o prefacio da Carta de guia de casados.
  5. "Publicada pudicamente sem nome do auctor em 1872."
  6. Este artigo é o prefacio da 7ª edição do Camões de Garrett, e teve uma tiragem especial no mesmo anno-1880.
  7. Esta critica foi publicada em folheto, em 1880.
  8. Esta polemica foi publicada em folhetos, em 1883, sob a epigraphe Questão da Sebenta.
  9. Este escripto, sobre a critica de Alexandre da Conceição ao romance A corja, sahio em diversos numeros do jornal Ribaltas e gambiarras de 1880-81, sendo reproduzido na Bibliographia portugueza e estrangeira, dos mesmos annos, sob a epigraphe Polemica litteraria.
  10. Este romance, annunciado a entrar no prelo, em 1884, não foi publicado.
  11. Este livro motivou a polemica Os criticos do Cancioneiro Alegre.
  12. O prefacio foi reproduzido na Bohemia do espirito.
  13. Continuação d’A filha do regicida.
    Os editores retiraram o 1º vol., pouco depois da sahida da obra: diz-se que por ordem do socio Mattos Moreira e por motivos orthodoxos, e tambem se diz que por pedido de um alto personagem portuguez.
  14. Com este escripto entrou Camillo na polemica levantada á volta da Historia de Portugal de Alexandre Herculano, a desproposito do milagre de Ourique e das cortes de Lamego, batendo o grande historiador.
  15. O authentico anda em seguida a O condemnado, Porto 1870.
  16. Estes dramas foram contrafeitos no Rio de Janeiro, em 1871, em separado.
  17. A edição do Porto 1882 é a mesma do Porto 1870 sem o drama Como os anjos se vingam]], tendo sido substituidas as folhas do titulo e frontespicio.
  18. Este artigo sahio publicado em 1861 nos jornaes Revolução de Setembro e Diario do Rio de Janeiro, sob o titulo-Noticia de um viajante ha tresentos noventa e cinco annos.
  19. A polemica Os criticos é transcripção dos ns. 7 a 10 da Bibliographia portugueza e estrangeira de 1879: 1º-O snr. Sergio de Castro. 2º-O snr. Carlos Lobo de Avila. 3º-O snr. Mariano Pina. Mariano (bis) Pina. Gaspar da Silva. 4º-Arthur Barreiros. A snra. Mariana (Tri) Pina. O snr. Thomáz Filho.
    A critica benevola são as apreciações de diversos jornaes.
  20. Das edições primitivas-Porto 1845.
  21. Das edições primitivas-Porto 1845.
  22. Extrahido dos jornaes A Cruz e O Christianismo.
    A poesia Hossana foi publicada em 1852.
  23. O mesmo das Noites de Lamego, 2ª edição, 1873.
  24. Com a 2ª edição foram tiradas, separadas, as duas poesias Preceitos.
  25. Reproduzida do Theatro comico.
  26. Foi reproduzida na Bohemia do espirito.
  27. Este romance; annunciado a entrar no prelo, em 1886, não foi publicado.
  28. Continua n’A neta do arcediago.
    A 1ª edição é o 1º volume das Scenas contemporaneas, e sahio em 1855.
  29. Continua n’A caveira da martyr.
  30. Este romance, annunciado no prelo, em 1880, não foi publicado.
  31. O titulo do 1° vol. é Sentimentalismo e Historia, e o do 2º é Historia e Sentimentalismo. Os dous livros, porém, começam pela Historia e continuam no Sentimentalismo; por isso adoptamos o titulo geral-Historia e Sentimentalismo, que é o da capa do 1º volume.
  32. O 1º volume da 2ª edição começa pelo Sentimentalismo e continua na Historia.
  33. Continua n’ A corja.
  34. Continuação do Euzebio Macario.
    A critica de Alexandre da Conceição ao romance A corja motivou os escriptos de Camillo, que sahiram no jornal Ribaltas e gambiarras e foram reproduzidos na Bibliographia portugueza e estrangeira, 1880-81, sob a epigraphe Polemica litteraria:
    Nota ao artigo supra do snr. Alexandre da Conceição. Conceição immaculada. A corja e o snr. Conceição-corja. O snr. Conceição-corja. Conceição-corja.
    Estes escriptos estão na Bohemia do espirito sob a epigraphe Modelo de polemica portugueza.
  35. Edição e homenagem de João António de Freitas Fortuna.
  36. Extrahido dos jornaes A cruz e O christianismo.
  37. Foi reproduzida na 2ª edição das Duas épocas da vida.
  38. A impressão deste livro foi suspensa pelo auctor, quando já havia 128 paginas: diz-se que por deliberação propria, e diz-se tambem que por pedido de um alto personagem brazileiro, quando visitou o autor.
    Consta que aquellas paginas vão ser re-impressas.
  39. Reproduzido nos Delictos da mocidade. Porto 1889.
  40. Este romance começou a ser publicado em 1853, no semanario religioso A cruz, sob o titulo Temor de Deus.
  41. Continuação dos Mysterios de Lisboa.
  42. É o prefacio da 7ª edição do Camões de Garrett.
    Foi reproduzido na Bohemia do Espirito.
  43. Em pag. 102 a 180 está o romance Martyrios obscuros.
  44. Continuação de Um homem de brios.
  45. Reproduzida do Theatro comico.
  46. Extrahido da Gazeta litteraria.
  47. Continúa n’ O livro negro.
  48. Continuação d’A filha do arcediago.
  49. Este drama foi tirado em separado em 1873, sendo o mesma composição de novo paginada.
  50. Os editores suspenderam a publicação, em 1888, tendo publicado O retrato de Ricardina, A queda d’um anjo e A doida do Candal.
  51. Junto ao trabalho de Camillo andam outros de auctores diversos.
  52. Continúa n’ Um homem de brios.
  53. A primeira edição é o que está nas Scenas contemporaneas.
  54. Esta obra provocou a Questão da Sebenta.
  55. A edição de 1855 é a composição das Scenas contemporaneas do mesmo anno, com frontespicio e de novo paginada.
  56. 56,0 56,1 São as mesmas composições das Duas epocas da vida de 1865, com frontespicios e de novo paginadas.
  57. Este romance, annunciado a entrar no prélo em 1881, não foi publicado.
  58. Reproduzido nos Delictos da mocidade, Porto 1889.
  59. Esta polemica, que teve origem em uma referencia do Dr. Avelino Cezar Calisto, lente da Universidade de Coimbra, publicada na Sebenta, com relação ao Perfil do marquez de Pombal, foi reproduzida na Bohemia do espirito sob a epigraphe Sebenta, bollas e bullas.
  60. O Livro de consolação, não é de Camillo.
  61. Os tres volumes tiveram novas edições sob os titulos de cada um.
  62. Continua n’ A neta do arcediago, 3.º vol.
  63. Este drama foi tirado em separado, sendo a mesma composição com frontespicio e de novo paginada.
  64. Continuação d’A filha do arcediago.
  65. A primeira edição é o segundo volume das Scenas contemporaneas, e sahio em 1855.
    Esta segunda edição não tem os dramas Pathologia do casamento e Poesia ou dinheiro? que foram impressos em separado no mesmo anno, com a indicação-2.ª edição.
  66. Esta critica, motivada pelas más apreciações de madame Rattazzi no seu Le Portugal à vol d’oiseau, foi reproduzida na Bohemia do espirito.
  67. Estas comedias foram reproduzidas em separado, em 1882.
  68. Este romance, annunciado no prélo em 1879, não foi publicado.
  69. Continuação de Onde está a felicidade?. Continúa em Memorias de Guilherme do Amaral.
  70. Este livro termina com o romance Vinte dias de agonia, que teve edição em separado, em 1866.
  71. O motivo deste opusculo foi a questão levantada por Anthero do Quental ácerca de uma referencia a seu respeito, feita por Antonio Feliciano de Castilho no prefacio ao Poema da mocidade, de Pinheiro Chagas.
  72. Este romance anda no fim de Um livro.
  73. 73,0 73,1 73,2 Estes jornaes, semanarios, foram redigidos e collaborados só por C. C. Branco:
    a) Porto 1854, sahio só um numero;
    b) Porto 1868, sahiram dezeseis numeros;
    c) Porto 1858-59, sahiram dezesete numeros.
  74. Este jornal, diario, era o predilecto de C. C. Branco.