Carolina/Epílogo

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carolina por Casimiro de Abreu
Epílogo


Alguns dias depois, Augusto, trêmulo, abria uma carta fechada com obreia preta, e lia:

Adeus, Augusto: quando leres esta carta já estarei morta. Consola meu pai e minha mãe, se os vires. Não amaldiçoes a minha memória! Morro beijando o teu retrato, que levo comigo ao túmulo. Adeus! ora por mim!
Carolina

— Sim, sim, disse o mancebo, caindo de joelhos e juntando as mãos, eu oro por ti. Que Deus te perdoe como eu te perdoei.