Carta do Infante D. Henrique doando as ilhas de São Miguel e Santa Maria à Ordem de Cristo

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa

Carta do Infante D. Henrique doando as ilhas de São Miguel e Santa Maria à Ordem de Cristo, de 18 de Setembro de 1460.

"Carta de doação que o Iffante Dom Anrrique que tinha feita á ordem das ilhas de São Miguel e Sancta Maria assi quanto á espiritualidade, como quanto á temporalidade, por autoridade del-Rey que diz que pera isso tinha quanto a temporalídade, e do Papa Eugenio, 4, quanto á espirítualídade por sua bulla que atras fiqua, e manda que o vigairo q pollo tempo for lhe diga por sua alma pera sempre hua missa de nossa senhora aos sabados e aja por ella em cada hum anno hum marco de prata pago em prata, alem de seu mantimento.//.
Eu ho Iffante Dom Anrrique Regedor e Gouernador da ordem e cauallaria do Mestrado de nosso Senhor Jesu Christo, Duque de Vizeu, e Senhor de Couilhãa. Faço saber aos que esta minha carta virem que esguardando eu o muito bem que recebi da dita ordem da dita ordem [sic]: e o muito seruiço que recebido tenho dos Caualleiros e freires della, por fazer seruiço a Deos e a minha Senhora Sancta Maria, dei e fiz doaçom aa muitos annos da minha ilha de São Miguel, e da Ilha de Sancta Maria aa dita ordem, com sua jurdiçom ciuel e crime, mero, mixto imperio, e com toda a espiritualidade, per autoridade que tenho de nosso Senhor ho sancto padre Eugenio [IV] de o poder fazer, e per autoridade del Rey meu Senhor que me deu poder pera a eu assi dar á dita ordem. Resaluando talhamento de membro, ou morte de homem que seja com apellaçom da ordem pera a sua casa do ciuel da sua cidade de Lixboa, e que a dita ordem non possa matar nem talhar membro. Porem mandei fazer esta minha carta assinada per mym e seellada do seello das minhas armas pera se poer no cartorio da ordem. E encomendo ao Vigairo ou Prior ou Capellão soldadado per a dita ordem que esteuer em cada hua das ditas ilhas que lhe praza em cada semana ao sabado por sempre em minha vida e depois de minha morte dizer hua missa de Sancta Maria e a comemoraçõ seja de Sancto Espírito com seu responso e oração fidelium Deus. Dizendo amte do começo da dita missa alta voz com o rostro pera os que a ella esteuerern que digam o pater noster e Ave Maria por minha alma e dos da ordem e daquelles porque theudo sou rogar. E des hi vaa com sua missa em diante e rogo e encomendo aos Meestres e Gouernadores que depois de mym forem que em galardom do acrecemtamento e bem que em ella fiz lhes praza auerem por bem, por sempre mandarem assi dizer a dita missa como dito he. Feita em a minha villa, xviij dias de Setembro. Johão de Moraaes a fez. Anno de Nosso Senhor Jesu Christo mil, CCC[C]LX [1460]. E mando e encomendo aos Comendadores das ditas ilhas, que dem cada anno hu marco de prata em prata ao Vigairo ou Capellão aalem de sua soldada por assi dizer a dita missa, e aos Mestres que forem que lho fação dar."

Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cartório da Ordem de Cristo, Livro 235, f. 10.