Casos do Romualdo/X

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Casos do Romualdo por João Simões Lopes Neto
Entre bugios


Quando, no norte do país, houve uma seca espantosa, que durou um par de anos e alarmou o governo e o povo todo, a farinha de mandioca encareceu, porque quanta se fabricava toda ia para aqueles infelizes flagelados.

Por essa época andava eu caçando antas nas serras do Paraná, e aí tive notícia da seca e da necessidade de mantimentos para os socorros.

Eu estava dentro dos pinheirais: tive uma idéia, isto é, tive uma pilha de idéias, porém uma prevaleceu: em três tempos montei um engenho e comecei a fabricar farinha de pinhão.

Pinhões, havia, às centenas de carretas...; o que dava trabalho.., era descascá-los.

Ora... mas também havia muito bugio... Preparei a minha gente e fiz algumas batidas, apanhando uma caterva de bugios, que são uns macacões ruivos, fortes e mui práticos de comer pinhões.

Estão querendo perceber?

Colhíamos os pinhões e os entregávamos aos bugios, amarrados em volta do terreiro — homens a um lado, mulheres a outro, para evitar rusgas... -; por imitação do que nós fazíamos, os bichos aprenderam a pelar os pinhões, atirando as cascas para um monte e as amêndoas limpas para dentro de cestos.

É verdade que eles comiam muito: mas o pinhão sobrava.

Eu tinha mais de duzentos macacos -bugios e bugias - mestres de pelar pinhão, e tudo gente moça, porque os velhos não tinham metido a mão na cumbuca, e lá andavam no mato, passando vida de... cachorro.

Ora, pois, não é nada, mas cada dia preparava minhas sete arrobas, mais ou menos, de farinha de pinhão, que era logo ensacada e mandada para a comissão da fome da seca.

Fabricada, ensacada e mandada de graça! Confesso a minha verdade: eu esperava ser recompensado com uma comendazinha... Era o meu fraco: poder um dia enfrentar uma onça, de comenda no peito!

Cada um com a sua fraqueza...

Nesse meio tempo apareceu o gafanhoto, uma praga monstruosa, que derrotou tudo quanto era pinhão que havia na serra: não se encontrava um, para remédio.

Vi-me então obrigado a licenciar os bugios e soltei-os, dando-lhes conselhos e recomendando-lhes juízo...

Foi um grande dia para aqueles bichos.

Estou convencido que se durasse mais tempo o serviço, muitos deles, os mais inteligentes, acabariam, não digo - falando -porém - mastigando - alguma cousinha que se entendesse.

Por exemplo: havia um, que com alguns exercícios já dizia - mual! mual! - o que parece-me que seria - Romualdo -, que era o nome que ele mais ouvia na roda do dia. Pouco antes de retirar-me daqueles lugares, andava eu no mato, aborrecido por não encontrar caça alguma que me satisfizesse.

Embrenhado num cerrado, encostei-me a uma árvore, à espera do que aparecesse.

Nisto senti ali por perto um - hã, hã, hã! - muito compassado e monátono. Hã! hã! hã! Lembrei-me da cantoria das amas, embalando crianças.

Por instinto de caçador, apurei o ouvido e percebi donde vinha o som; olhei, e por entre as ramarias lobriguei um vulto amarelo-vermelho; levei a arma à cara, fiz pontaria, e ia desfechar...

Quando senti que puxavam-me pela aba do casaco ... voltei-me, e qual o meu espanto, dando de cara com um bugio, que ria-se e dizia - mual! Mual!

Abaixei a arma; ele e não, sempre puxando-me pela aba do casaco, foi-me levando em direção ao vulto que eu descobrira; mais perto vi então que era uma macaca, sentada, com um macaquinho ao colo, dando-lhe de mamar!

O lugar onde ela estava era uma espécie de rancho, mal feito, é verdade, mas mostrando já alguma civilização, havia um porongo d'água pendurado num galho, e, numa forquilha, espetado, um ninho de sabiá cheio de guabijus, parecendo uma fruteira.

O bugio pôs uma mão no ombro da bugia, a outra sobre a cabeça do macaquinho e com a outra bateu no peito, como a dizer:

— Minha mulher! Meu filho!

Oh! senti toda a poesia daquela felicidade!...

Tirei do bolso o meu lenço de ramagens e dei-o de presente à bugia, dizendo:

— Toma! Faze fraldas para o pequeno!

O Iadrãozinho parece que entendeu.., e engraçando com a corrente do meu relógio, pôs-se a brincar com ela; e eu, para divertir-me, ainda encostei-lhe a "cebola" ao ouvido, para ele- apreciar o tique-taque da máquina...

O casal saltou de contente, berrou -mual! mual! — umas quantas vezes, e quando me despedi, veiu acompanhar-me até a beira do mato. Nunca mais os vi. Quem nos diz a nós que, com tempo e paciência e pinhões, os bugios...

Ah! antes que esqueça: da minha farinha e da tal comissão... também nunca mais tive notícias. E da comenda, menos!...