Como corres, arroio fugitivo?

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pertende agora persuadir a hum ribeyrinho a que não corra, temendo, que se perca: que he muy proprio de hum louco enamorado querer que todos sigam o seu capricho, e resolve a cobiçarlhe a liberdade.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaA Cidade e seus PícarosÂngela

Como corres, arroio fugitivo?
Adverte, pára, pois precipitado
Corres soberbo, como o meu cuidado,
Que sempre a despenhar-se corre altivo.

Toma atrás, considera discursivo,
Que esse curso, que levas apressado,
No taminho. que emprendes despenhado
Te deixa morto, e me retrata ao vivo.

Porém corre, não pares, pois o intento,
Que teu desejo conseguir procura,
Logra o ditoso fim do pensamento.

Triste de um pensamento sem ventura!
Que tendo venturoso o nascimento,
Não acha assim ditosa a sepultura.