Consolo amargo (grafia original)

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Consolo amargo
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Consolo amargo.



Tu'alma lembra um mundo inaccessivel
Onde só astros e aguias vão pairando,
Onde se escuta, tragica, cantando,
A symphonia da Amplidão terrivel!

       5Toda a alma que não seja alta e sensivel,
Que azas não tenha para as ir vibrando,
N'essa Região secréta penetrando,
Falléce, morre, d'um pavor incrivel!


É preciso ter azas e ter garras
       10Para attingir aos ruidos de fanfarras
Do mundo da tu'alma augusta e fórte.

É preciso subir igneas montanhas
E emmudecer, entre visões estranhas
Num sentimento mais subtil que a Morte!