Contos paraenses/Poemetos em prosa/I

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Poemetos em prosa

I
Bidinha

A Mucio Javrot
 

Aquelles versos terníssimos, d’uma inspiração ideal e faceira, haviam-lhe feito comprehender que o poeta amava-a. Sem o sentir bem, ella começou a amal-o, a amal-o tambem.... Quando, por acaso, encontrava-o em casa da prima, córava, julgava soffrer e gosar a um tempo e entrava a fital-o amoravel e longamente, com essa persistencia abstracta dos verdadeiros extases apaixonados....

O poeta conheceu não ser indifferente áquella moça tão pállida, tão triste, cujo olhar tinha os fluidos voluptuosos das paixões ardentíssimas...

E, não sei bem porque, fugiu-lhe: passou um mez sem ir á casa da prima da Bidinha, para não vel-a. Depois, de si proprio envergonhado, lá foi e encontrou-a, mais pallida ainda.... e com os olhos, — aquelles tentadores, faiscantes olhos eloquentes, — mais, muito mais bonitos... Teve pena d’ella: n’um momento em que ficaram sós na sala, — onde rescendia o perfume d’um ramo de resêda posto n’um jarro em frente ao retrato d’uma velha senhora de fronte enrugada e olhar suave — declarou-lhe amal-a desde muito, intensamente.

Ella, a Bidinha, a pállida donna do álbum que recebêra aquelles ternissimos versos, d’uma inspiração idéal e faceira, sorriu, estremeceu e murmurou apenas quasi inintelligivel som.

D’ahi em deante, a felicidade uniu-os sempre em amorosos colloquios nocturnos, em aquella mesma sala.

Tempos depois, teve o poeta de fazer uma viagem. Os protestos de mutua fidelidade foram longos, como longa deveria ser a ausencia. Dando-lhe o aperto de mão de despedida, quasi desfallece a Bidinha, tal foi a angustia que atravessou-lhe o coração!

Por um artificio da sorte, o poeta esqueceu-se da encantadora creança a quem jurara amor perante o retrato da velha senhora de fronte enrugada, emquanto rescendia na sala o perfume d’um ramo de resêda.

Ella esperou-o durante mezes, durante annos.... Oh! lancinante dôr das longas espectativas!... Espera-o ainda....

Á tarde, quem fôr ao pequenino quintal da casa d’ella, poderá vel-a sentada sob um grande jasmineiro estendido ao longo de vasta latada, — com o olhar suave e tristemente fito nas paginas d’um album, soluçando baixinho palavras de saudosa recriminação.

Aquelles versos terníssimos, d’uma inspiração idéal e faceira, haviam-lhe feito comprehender que o poeta amava-a!...