Coração confiante (grafia original)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Coração confiante
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Coração confiante.



o coração que sente vae sósinho,
Arrebatado, sem pavôr, sem medo ...
Leva dentro de si raro segredo
Que lhe sérve de guia no Caminho.

       5Vae no alvorôço, no celeste vinho
Da luz, os bósques accordando cêdo,
Quando de cada tremulo arvoredo
Parte o sonóro e matinal carinho.


E o Coração vae nobre e vae confiante
       10Festivo como a flammula radiante,
Agitada bizarra pelos ventos...

Vae palpitando, ardente, emocionado,
O velho Coração arrebatado,
Preso por loucos arrebatamentos!