Cravo de Noiva

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cravo de Noiva
por Augusto dos Anjos


Ao Dias Paredes

Cravo de noiva. A nívea cor de cera

Que o seu seio branqueja, é como os prantos

Níveos, que a virgem chora, entre os encantos

Dum noivado risonho em primavera.

Flor de mistérios d'alma, sacrossantos,

Guarda segredos divinais que eu dera

Duas vidas, se duas eu tivera

Pra desvendar os seus segredos santos.

E tudo quer que nessa flor se enleve

O poeta. E que dessa concha armínea,

Da lactescência angélica da neve,

Se evolam castos, virginais aromas

De essência estranha; olências de virgínea

Carne fremindo num langor de pomas.